Lucro primeiro: clínica de Estética que sabe ganhar dinheiro

No livro escrito por Mike Michalowicz, Lucro primeiro: transforme seu negócio de uma máquina de gastar dinheiro em uma máquina de fazer dinheiro, o autor inverte a visão do empresário, fazendo-o pensar primeiro em reservar o lucro em vez de esperar que sobre algo no final do mês.

A sua vida profissional deve atender a um propósito maior, e isso é o que faz você acordar feliz todos os dias. Mas uma empresa é criada para remunerar os sócios, pagar os colaboradores e obter lucro. Juntos, Lucro e Propósito alinhados farão de você uma pessoa realizada por muito tempo, pois sem propósito ou sem dinheiro o sonho não é completo.

Essa teoria serve para qualquer tipo de negócio e não seria diferente para clínicas de Estética. Porém, a formação do profissional de Estética é voltada para a área da Saúde e muito pouco se fala sobre como gerir financeiramente uma clínica. Até mesmo os conceitos iniciais, como fluxo de caixa e faturamento, parecem ser assuntos muito distantes de ter uma compreensão exata, justamente por não serem assuntos específicos da área.

Para ganhar dinheiro é preciso amar o dinheiro, para fazer gestão de clínica de Estética é preciso amar gestão – você não precisa fazer a atividade operacional de lançar todas as contas de despesas, aliás, nem deveria fazer, atribua as tarefas, mas saiba o que está pedindo e como cobrar o resultado esperado. É preciso monitorar constantemente os indicadores para que não fujam do controle e é dessa paixão que estou falando.

A teoria explica que o Lucro é o que sobra, ou seja: Lucro = Receita – Despesas. O fato é que se você esperar sobrar alguma coisa isso dificilmente irá acontecer, pois se temos dinheiro em caixa, naturalmente nós iremos investir, comprar mais estoque, máquina nova e por aí vai. Mesmo que seja atribuída uma meta para o lucro, esse indicador irá depender muito mais dos controles feitos nas despesas e quanto conseguiu colocar de entrada, assim acontece a tendência de que haja uma variação muito grande e um descontrole com relação à meta.

A analogia que o autor faz é como a dieta, quer menos calorias, então limite e divida as porções para ter um maior controle, dessa forma, até mesmo um negócio pequeno pode obter mais lucro do que um negócio grande. E sei que você leitor (a) sabe bem do que estou falando, pois ou você já teve mais funcionários ou então já ouviu alguma colega que teve mais funcionários dizer que ganhava menos do que quando tinha uma equipe reduzida.

Porém, não é questão de correlação de uma coisa com a outra, pois se os controles estiverem corretos e tiver demanda, quanto maior o negócio maior o lucro, o fato é que com a operação menor fica mais fácil dar atenção aos controles e não ser consumido pela rotina.

O funcionamento é relativamente simples, mas, acreditem: mudar os hábitos é o mais difícil! Para colocar esse processo em prática é fundamental ter uma conta bancária em um banco que você não tenha fácil acesso, por exemplo, sem uso do aplicativo para fazer movimentações financeiras, dificultando assim o processo, pelo fato de que precisará ir até o banco para mexer no dinheiro. Essa conta bancária será utilizada para “guardar o lucro”.

Você pode começar com, por exemplo, 1% do seu faturamento. Vamos supor que seja o valor de R$ 1.000,00. No começo do mês, você irá transferir para essa conta, chamada “Lucro”, esse valor e irá se esquecer dele até o próximo mês, quando irá repetir o processo, tentando aumentar a porcentagem de lucro a ser transferida. Na pior das hipóteses, se continuar transferindo mensalmente o mesmo valor, terá ao final do ano um montente de R$ 12.000,00, mas é bem possível que irá se empolgar para aumentar cada vez mais o valor. Importante frisar que essa retirada deve ser feita antes do pagamento das despesas, o que irá garantir que terá um determinado valor para retirar no fim do ano.

A conta bancária de lucro é uma das contas sugeridas, pois deveria ter outras como de Receitas e Despesas, e observar os saldos de todas elas. Essa é a metodologia sugerida, mas o maior impacto está na filosofia, que se aplicada insistentemente poderá surtir o efeito de sobrar dinheiro.

Esse controle de contas pode ser feito também nos Planos de Conta da gestão financeira da sua clínica de Estética, a qual pode ser facilmente gerenciada por um software. Aliás, é desejável que seja um fluxo único de dados, ou seja, desde o momento que a cliente agendar um serviço e pagar pelo tratamento deve-se movimentar o seu fluxo de caixa e automaticamente as contas da clínica, tornando assim o processo prático e funcional.             Fazer a gestão da sua clínica de Estética é essencial para ter um negócio saudável e próspero, por isso automatize e sistematize tudo que for possível para ter ao seu alcance os controles e os dados sempre que precisar.

Rafael Francisco Thibes é empresário e palestrante, CEO do Belle Software (sistema de Gestão de Clínicas de Estética), sócio do Markkit AA para criação de campanhas de Marketing de Estética, criador do Gestão de Estética Conference, mestrando, bacharel em Informática com cinco pós-graduações. Instagram @rafaelfranciscothibes

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.