Todo o poder de ação da vitamina D

Na busca pela integridade da saúde com consequentes benefícios na beleza da pele e do cabelo, a importância da vitamina D assume seu lugar no panorama da estética. Entenda a importância desse micronutriente e como transformá-lo num potente aliado dos tratamentos faciais e capilares

Carmen Cagnoni (@carmencagnoni)     

Para começar a falar sobre esta importante vitamina, não há como deixar de mencionar o fato de que o tema vitamina D tomou vulto com a pandemia da Covid-19, isso porque ela está intimamente ligada ao aumento da imunidade. De acordo com uma publicação da Faculdade de Medicina da PUC-Rio, em abril passado, estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Chicago confirmou que as pessoas com níveis mais altos de vitamina D no organismo tiveram mais dificuldade de contrair a infecção causada pelo novo coronavírus. Outra pesquisa similar realizada pela Universidade de Turim, na Itália, também sugere que a vitamina D poderia atuar na prevenção e no tratamento da Covid-19. Isso acontece, segundo os dados, porque ela ajuda a regular o sistema imunológico. “Níveis inadequados estão relacionados ao risco de desenvolver inúmeras doenças, como psoríase, diabetes tipo 1, esclerose múltipla, artrite reumatóide, tuberculose, sepse, infecção respiratória e Covid-19, dentre outras infecções crônicas e doenças autoimunes”, explica a nutricionista Luciana Sarmento (@lusarmentonutri), uma das coordenadoras do curso de pós-graduação em Nutrição da PUC-Rio. Para a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), “as possíveis ações extra-esqueléticas da vitamina D são temas de interesse científico. Entretanto, não existe, até o presente momento, nenhuma indicação aprovada para prescrição de suplementação de vitamina D visando efeitos além da saúde óssea”.

FONTE DE SAÚDE

A vitamina D atua, praticamente, como um hormônio que regula o funcionamento de vários minerais no organismo. Ela é dividida em dois grupos: D3 – colecalciferol; e D2 – ergocalciferol. A vitamina D3 é produzida naturalmente pelo organismo, processo estimulado através da exposição à radiação ultravioleta. “A exposição solar – que deve ser feita com uso de filtro solar – gera absorção da vitamina D em cerca de 20 minutos. Sem dúvida, tomar sol é considerada uma prática importante, simples e rápida para a conversão de pró-vitamina D em vitamina D.  Porém, não é preciso longo tempo de exposição e reitero que é preciso proteger a pele.  Apenas poucos minutos por dia, com braços ou pernas expostas, são suficientes para esse processo acontecer “, detalha o dermatologista André Braz (@drandrebraz), do Rio de Janeiro, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica. Além dessa produção natural, também é possível encontrá-la em alimentos, como leite, ovos e peixes gordurosos. Já a vitamina D2 é de origem vegetal, encontrada nos cogumelos selvagens, por exemplo. É importante lembrar que para suplementação dessa vitamina, o ideal é ter a orientação de um profissional, pois seu excesso pode acarretar problemas.

Além da importância na nossa defesa natural, esse micronutriente age em muitos outros processos orgânicos. “Ela garante a saúde dos ossos, regula o sistema imunológico e o cardiovascular e auxilia na saúde da pele com um efeito protetor contra o envelhecimento, pois tem ação antioxidante. Age também na renovação celular e tem propriedades antimicrobianas”, explica o dermatologista.

É importante saber, no entanto, que os benefícios para a pele ainda estão sendo estudados: “O que já existe comprovado cientificamente é que baixos níveis de vitamina D influenciam em certas doenças crônicas, como dermatite atópica, rosácea e psoríase, favorecendo a exacerbação das lesões. Por influenciar na parte imunológica, a vitamina D é fundamental para manter íntegra a barreira da pele e deve ser suplementada caso esteja insuficiente ou deficiente”, avisa a dermatologista do Rio de Janeiro Fabiana Seidl (@drafabianaseidl), membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica. A médica explica que os níveis baixos de vitamina D também estão associados a uma piora na queda dos cabelos: “Isso ocorre principalmente em casos de eflúvio telógeno e alopecia areata. Portanto, os níveis de vitamina D devem ser investigados em casos de perda acentuada de fios”.

BELEZA VITAMINADA

O especialista Cleber Barros (@cleberbarrosoficial), pós-graduado em Cosmetologia e Comportamento do Consumidor, cita publicação do Mintel Group (empresa de pesquisa de mercado situada em Londres) denominado Trends 2025: Beauty & Personal Care, sobre as principais tendências na Cosmetologia que serão emergentes até o ano de 2025, devido à pesquisa sobre a utilização de vitaminas e outros suplementos nos Estados Unidos e no Reino Unido. “Uma das conclusões que se pôde chegar foi o fato de que atualmente houve um ressurgimento de produtos com componentes derivados de nutrientes alimentares (como as vitaminas) em sua composição, o que pode ser relacionado ao caso de os consumidores estarem cada vez mais associando uma dieta saudável e um estilo de vida equilibrado a uma pele mais bonita. Outro ponto relacionado ao tema é que cada vez mais pessoas estão consumindo vitaminas e outros suplementos nutricionais como parte de sua rotina diária, o que também contribui para a melhor aceitação desses componentes na sua rotina de skin care – afinal, a beleza de dentro para fora já é bastante consolidada, então por que não apostar em uma nutrição de fora para dentro?”

Um dos compostos que estão cada vez mais ganhando espaço nos cosméticos, devido a essa tendência, são as vitaminas. “Já é bem estabelecido que a ingestão de vitaminas é essencial para a nutrição do organismo humano e sabe-se que, além de fontes de nutrientes importantes, algumas delas também atuam como antioxidantes – o que representa outra tendência na cosmetologia”, justifica Cleber.

VITAMINA D EM COSMÉTICOS

Para compreender como a ação tópica pode ocorrer entenda que a pele possui receptores específicos (VDR) que são ativados quando expostos à luz solar e contribuem para a cascata de síntese de vitamina D. Porém, no processo de envelhecimento orgânico, esses receptores são enfraquecidos, o que afeta diretamente a hidratação da pele e sua função de barreira. Pensando nisso, pesquisadores franceses desenvolveram um ativo natural que mimetiza o efeito da vitamina D, mas não necessita da exposição à luz UV. Este ativo, chamado de Vitamina D-Like ou Vederine®, é extraído e purificado da raiz da planta chicória e vem sendo muito utilizado em cosméticos, agindo de maneira similar à vitamina D. Algumas de suas ações são: restaurar as funções dos receptores de vitamina D (VDR) danificados pelo envelhecimento, além de estimular a formação e cobertura da barreira cutânea, responsável pela proteção contra a desidratação e agentes externos.

Lucas Portilho (@lucasportilho), farmacêutico especialista em Cosmetologia, mestre em Ciências Médicas e diretor da Consulfarma, conta que pesquisadores da Faculdade de Farmácia de Ribeirão Preto, juntamente com um pesquisador da Silab (empresa francesa fabricante do ativo) avaliaram os benefícios do Vederine®. “O resultado comprovou que a diminuição da perda de água transepidérmica e a melhora do microrrelevo cutâneo foram observados quando comparadas às áreas de veículo e controle após um período de 28 dias. E concluíram que o extrato de raiz de Cichorium intybus apresentou efeitos protetores e reestruturantes na pele e se destaca como um ingrediente inovador para melhorar a função de barreira cutânea”.

Ainda segundo o especialista, “isso acontece porque nos queratinócitos existe um receptor nuclear chamado VDR (Vitamina D Receptor) que quando ativado sinaliza e favorece a transcrição de genes envolvidos na proliferação celular. O resultado é um aumento da espessura da epiderme. O Vederine ® atua aumentando a atividade do VDR e assim contribui para o aumento da proliferação celular. Junto com essa multiplicação vem a normalização das células da epiderme, o aumento da produção de filagrina e de lipídios da pele”, detalha.

De acordo com Sheila Mustafá (@sheilamustafa), nutricionista, esteticista e docente do curso de pós-graduação em Nutrição Clínica Funcional, o uso tópico de vitamina D tem como principais funções:

  • Acelerar a recuperação da barreira cutânea;
  • Potencializar a renovação da epiderme;
  • Promover efeito de reestruturação da epiderme;
  • Melhorar a textura da pele e dos contornos faciais;
  • Controlar os fatores de crescimento;
  • Agir na diferenciação e proteção celular;
  • Exercer papel imunológico.

“Níveis inadequados de Vitamina D estão relacionados ao risco de desenvolver inúmeras doenças, como psoríase, diabetes tipo 1, esclerose múltipla, artrite reumatóide, tuberculose, sepse, infecção respiratória e Covid-19, dentre outras infecções crônicas e doenças autoimunes”

Luciana Sarmento nutricionista

“Já é bem estabelecido que a ingestão de vitaminas é essencial para a nutrição do organismo humano e sabe-se que, além de fontes de nutrientes importantes, algumas delas também atuam como antioxidantes – o que representa outra tendência na cosmetologia”

Cleber Barros, pós-graduado em Cosmetologia e Comportamento do Consumidor

Somos uma empresa com coração e alma humanos. E a humanidade nos traz inquietude para buscarmos sempre o novo, discernimento para abraçarmos as causas certas, coragem para seguirmos adiante mesmo em face de tempos difíceis, orgulho para mostrarmos a grandiosidade do segmento brasileiro.

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.