Talento x Habilidade

Entendemos o quão importante é nosso instrumento “externo” de trabalho (dermógrafo ou tebori), mas precisamos entender também que ele não é o único. Isso mesmo, nosso corpo é nosso instrumento primordial!

Você conhece bem o seu corpo e qual a capacidade real dessa máquina surpreendente sobre a qual pouco escutamos falar dentro da nossa área? Este texto é para falar um pouco sobre isso, como nossas habilidades ou talento podem e devem ser aprimorados.  Venham  comigo de mãozinhas dadas que vou te explicar bem certinho tudo isso.

Nós utilizamos o nosso corpo como instrumento de trabalho assim como atletas e músicos,  que precisam de certos grupos musculares e coordenações motoras bem treinadas para serem exímios no que fazem. Nós, profissionais da área da beleza, também precisamos tonificar grupos específicos e aprimorar nossas coordenações. 

Movimentos amplos e movimentos curtos dependem estruturalmente de uma série de fatores fisiológicos e neuromotores, cuja funcionalidade define o nível de performance que um indivíduo pode atingir em um movimento relacionado.

Quanto mais preparado você estiver, melhor será seu desempenho. Isso é fato! Por isso, precisamos ter essa consciência de que necessitamos treinar o que nos falta. De uma forma geral, o objetivo de qualquer treinamento está voltado à melhora funcional dos fatores orgânicos (o corpo de maneira física), procurando dotar o profissional do melhor nível possível em cada variante da ação biodinâmica, que é a compreensão dos efeitos da atividade física e do exercício físico no  indivíduo.

Fato é que precisamos aprimorar nossas habilidades motoras como um todo, com exercícios específicos que otimizam a nossa performance como profissional, explico isso mais abaixo, cuja dinâmica de realização é multivariável, pois dependemos de muitos grupos musculares nos diferentes tipo de coordenação motora. 

Existem dois tipos de coordenações motoras: grossa e fina.

Coordenação motora grossa:

Envolve o corpo de maneira ampla, habilidades menos delicadas, como pular, subir e descer escadas, referente à resistência física. 

Em nosso caso, precisamos tonificar grupos musculares corporais para sustentar o corpo durante o procedimento em si, deixar-nos confortáveis durante a nossa atuação e não nos limitarmos a uma ação que pode comprometer a aplicabilidade da técnica. Realizamos muitas vezes sequências de procedimentos, um seguido do outro, o que submete  o profissional ao risco ergonômico, lesionando o corpo com tendinites, bursites, escolioses… assim por diante. O nosso corpo precisa ter resistência, pois se ele não tiver, pode comprometer a coordenação fina. 

Coordenação motora fina: 

É o tipo de coordenação que precisa do uso dos músculos pequenos das mãos e do antebraço para realizar atividades que requerem maior precisão e refinamento, relacionados às habilidades mais delicadas, como desenhar, pintar e manusear objetos pequenos. 

Dentro da coordenação fina, temos a coordenação visomotora, que é a capacidade de controlar o movimento da mão, guiado pela visão, também conhecida como coordenação olho/mão, que é pensar e conseguir executar. 

Esta é a habilidade que mais precisamos evoluir, é a que nos permite realizar ações que requerem o uso simultâneo dos olhos e das mãos, como criar fios lindos ou mesmo traços perfeitos,  que usa a informação captada por nossos olhos (percepção visual e espacial) para guiar as nossas mãos e fazer um movimento que tenhamos bem definido em nossa mente. 

É aqui que as coisas ficam mais complexas. É bem aqui que muitos profissionais acabam prejudicando seus trabalhos por não entenderem que precisam trabalhar a coordenação fina e melhorar a coordenação visomotora. 

Claro que existem pessoas que têm mais facilidade, mas isso não exclui as que não têm. Tudo parte do princípio do foco e do treino. Esse  ganho de habilidades motoras deve ser alcançado de forma gradativa e eficiente.  Precisa de treino, muito treino.

Confundimos muitas vezes talento com habilidade. Mas saibam que existe habilidade sem talento, mas todo talento tem habilidade.

Você também confundia talento com habilidade? Para esclarecer a diferença, precisamos entender:

Talento Nato:  diz respeito a uma característica congênita. Trata-se de competência que acompanha o ser humano desde o nascimento, sem a necessidade de desenvolvê-la para que seja realizada com excelência.

Talento Humano: adquirido com competência, dotado de muito conhecimento e  habilidades. Para ser um profissional com talento adquirido deve ser apaixonado pela área,  deve possuir diferencial para gerar resultados de excelência. 

Habilidade: são movimentos que devem ser aprendidos a fim de serem executados corretamente, como por exemplo atirar, tocar piano,  dar um saque no tênis ou  fazer fios finos e delicados.

Em resumo: 

O talento nato vem com a maquinaria genética que facilita a realização de determinada ação, mas é preciso se expor para saber se o tem de fato ou não. Já a habilidade só é descoberta quando se dá oportunidade para que ela desperte, pode ser treinada e melhorada a partir dos objetivos. 

Eu, Vânia, particularmente acredito que o talento sem paixão não te possibilita crescer. Já a habilidade apaixonada te faz ser muito maior, se tornar um talentoso humano. Isso fez sentido para você?

Certa vez eu estava vendo um seriado, Batalha dos Confeiteiros, onde o anfitrião Buddy Valastro, o  confeiteiro superfamoso proprietário da franquia  Carlo’s Bakery, tem o objetivo de encontrar profissionais excepcionais na confeitaria. E durante a batalha que se estendeu em alguns episódios, vi grandes competidores,  uns mais técnicos, outros bem talentosos e outros super-habilidosos. Então, para as quartas de final, o Boss (como chamado Buddy Valastro) precisou escolher entre dois candidatos:  um supertalentoso, aptidão nata. E outro super-habilidoso e apaixonado pelo que faz. Você consegue saber qual ele escolheu???

Se você pensou no habilidoso, foi esse mesmo. Mas em um breve momento eu achei que ele escolheria o rapaz que fazia coisas lindas com massas de confeitar. Mas o rapaz  talentoso, se limitou ao que sabia fazer, menosprezando os demais que não tinham tanta aptidão.  Seu talento todo o levou até aquele ponto (o cume de suas habilidades), onde competia com uma mulher habilidosa, aquela que nem sabia fazer uma florzinha quando o jogo começou… e os dois estavam lado a lado, no mesmo patamar: Talento X Habilidade.  Seu talento o colocou no limite, já a paixão dela estava apenas aflorando… Imaginem, o quanto aquela habilidosa iria crescer sendo tão apaixonada pelo o que fazia.

E é exatamente assim na nossa área também. Ser talentoso facilita a vida,  o aprendizado e a execução das atividades,  mas você não evolui se estiver satisfeito com o que realiza. Entendeu?!  Não se desafia e se acomoda. A nossa insatisfação nos faz querer melhorar, olhar para o nosso trabalho e ver que ele ainda pode ser excelente, te motiva e te leva para um próximo nível. Mas entendo que muitas vezes não sabemos como… Uma alternativa é buscar aprimoramento por meio de cursos, por isso, criei o curso online Expert Brows, para ajudar os profissionais a ir tecnicamente ao próximo nível.

Por que estou escrevendo isso aqui? Por acreditar que muitos que entram nessa área não têm o talento nato, mas podem desenvolver a habilidade e ser um profissional surpreendente, e isso que quero deixar bem claro aqui: a habilidade se desenvolve com o treino… olha que coisa fantástica. Basta treinar que você pode fazer coisas espetaculares.

As nossas habilidades se desenvolvem progressivamente ao longo dos anos , por isso não fique acomodado se seus resultados estão aquém do que deseja. Treino… muito treino. 

E como treinar??? Existem, sim, treinos que melhoram a coordenação fina e, apesar de parecerem parecem infantis, são muito bons para esse desenvolvimento: 

Aqui vão oito treinos infalíveis para melhorar sua coordenação fina e te levarem a outro patamar: 

  1. Desenhar – desenhe objetos simples, como círculos, quadrados, triângulos, o mais perfeito que conseguir, várias vezes. Cada objeto desenhado deve ser mais bonito que o anterior. Isso é treino. Se não houver evolução, só estará fixando o erro em vez de evoluir.
  2. Escrever – às vezes nos esquecemos de que existem cadernos e canetas, e as maneiras de movimentar os dedos na escrita ajudam muito a desenvolver coordenação fina. 
  3. Cortar e colar – ima boa são os ScrapBooks, a era digital acabou nos tirando um pouco dos trabalhos manuais, mas esse fica lindo… vale a pena fazer.
  4. Tricotar – Fazer um belo cachecol, além de ser uma peça exclusiva, vai te ajudar a melhorar sua coordenação. 
  5. Costurar – faça pequenos consertos à mão, utilizando agulha.
  6. Fazer origami (dobraduras de papéis) – têm lindos objetos para montar e ainda decorar. Tem muitos vídeos ensinando no Youtube.
  7. Modelar massinha – esse eu adorooooo, principalmente quando demonstro colorimetria. Experimenta com as cores primárias e neutraliza com as secundárias. Além de treinar visualmente, melhora muito a coordenação. 
  8. Pintar tela – é um dos meus preferidos, pois além de treinar, você pode embelezar seu ambiente de trabalho e ainda presentear os entes queridos. Se nunca tocou em um pincel ou lápis pastel, vale a pena fazer um curso e melhorar essa habilidade que ajuda também na elaboração dos designs. 

Escolha uma ou mais atividades e treine durante 30 dias, no mínimo 40 minutos diários.  O jeito de você se avalizar é datar os seus primeiros treinos e um trabalho seu referente ao mesmo dia. E depois desse período você me conta como está e qual foi seu nível de evolução. 

Só mais uma superdica: outro fator que pode prejudicar sua coordenação fina é estar ofegante e estafado, e isso acontece muitas vezes por causa do ritmo intenso de procedimentos e também pós-treino da academia. 

Pense comigo: você vai para a academia e se dedica incrivelmente aos exercícios. Realmente você se doa naquele momento. Percebe que depois fica exausta e com dificuldade de ficar quietinha. Então, bem isso. Precisa de pelo menos uma hora para você se aquietar e fazer seu trabalho pausadamente e bem concentrado. Mãos trêmulas e respiração ofegante prejudicam a sua precisão.

E lembre-se que também no momento do procedimento deve procurar manter a respiração tranquila, evitar falar e se concentrar ao máximo em cada detalhe realizado. 

Espero que tenha gostado e que essas informações lhe ajudem. Namastê… Gratidão!

Vânia Machado é esteticista, visagista e micropigmentadora. Master trainer Internacional Amiea e coordenadora científica dos Congressos de Micropigmentação do grupo Estética In de todo Brasil. Instagram @vaniamachadopmu

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *