Coworking de beleza

A minha história na área da beleza começou com maquiagem, mas quando conheci a extensão de cílios, foi amor à primeira vista. E como não tínhamos muita informação e materiais adequados no Brasil, fui em busca de excelência para nosso mercado.

Abri um espaço no Jardim Anália Franco, bairro nobre na capital paulista, e imediatamente percebi que precisávamos de mais profissionais qualificadas para atender a demanda que viria. Fui pioneira em inúmeras técnicas de extensão de cílios. Formei mais de 800 alunas após estudos em vários países, como Cazaquistão, Estados Unidos, Sérvia, Japão e Rússia.

Durante minha experiência como prestadora de serviço em salões de beleza e após locar minha primeira sala, percebi que as mulheres, quando trabalhavam para si, e não para um empregador, rendiam mais, eram mais felizes e tinham maiores ganhos financeiros. Então, em vez de pensar em comissões ou parte dos lucros de prestadoras de serviço, por que não locar espaços e salas? Assim, teríamos uma estrutura superior, com múltiplos serviços no mesmo local, facilitando a logística para as clientes e realizando um rodízio das mesmas, podendo realizar mais de um serviço ao mesmo tempo.

Foi quando decidi investir no Coworking de Beleza, que diferentemente do que ocorre em um salão convencional, as profissionais seriam donas do seu próprio negócio e não teriam que pagar comissão, mas, sim, locariam um espaço ou uma sala. A proposta era sair do mindset de funcionárias ou prestadoras de serviço e se tornar empreendedoras.

Tudo começou em uma sala pequena e, em cinco anos, já foram feitas três expansões. O espaço tornou-se uma “casa da beleza”, com diversos serviços. Fundamos assim o primeiro coworking de beleza de São Paulo.

 Apesar do sucesso da ideia, ressalto que é importante que as profissionais saibam o momento correto de trabalhar com esse formato. O ideal é que elas já tenham passado pela experiência de trabalhar em um salão de beleza convencional, já tenham uma carteira de clientes para somar forças no coworking.

É importante também saber como funciona toda a metodologia de um salão de beleza antes de locar, fazer a transição de funcionária para empreendedora, Afinal, muitas acabam contratando suas próprias colaboradoras. No coworking, as profissionais são responsáveis pela abertura de empresa (MEI), administração, cobrança e até recepção. Aprende-se a ser multi task, diferentemente de um salão convencional, que tem uma estrutura pra isso.

No coworking, quando a profissional já está preparada, quando já passou por esses passos, ela vai ter ganhos duas a três vezes maiores. Sou apaixonada pelo meu trabalho e pela missão que assumi: mudar vidas, restaurar autoestima e empoderar mulheres, sejam elas clientes, alunas ou colaboradoras. Que o sucesso de uma seja o de todas!

Thaís Giraldelli @thaisgiraldelli trabalha como lash designer, é professora, palestrante, influencer e ainda desenvolvedora de produtos de marca própria na área da beleza. É considerada referência em diversas técnicas e conhecida pelo espírito inovador. Em 2015, inaugurou a Lash House, em São Paulo. O espaço funciona como um coworking de beleza, sendo um dos primeiros neste formato.

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.