A nova era da dermopigmentação: Da habilidade adquirida para o estudo especializado

A Dermopigmentação é completamente diferente da maquiagem definitiva. Hoje, sabemos. Foi preciso um longo caminho percorrido por uma dezena (ou centena!) de profissionais que iniciaram essa jornada há muitos e muitos anos, mais especificamente em 1986, quando o termo micropigmentação surgiu pela primeira vez. E de lá para cá muitos erros foram cometidos. Pigmentações definitivas que deveriam ser temporárias, marrons que se tornaram azulados e por aí vai a extensa lista de inadequações pelas quais passamos. Naquela época, acreditava-se que era preciso somente ter dom para trabalhar com beleza e ainda havia espaço para erros e acertos. Hoje não, pois apesar de o mercado e os profissionais ainda não admitirem, entramos em uma nova era da Dermopigmentação.

Sabe-se que se uma pessoa tem talento e exerce uma atividade a partir do instinto, com o tempo ela passa a adquirir saber através dessa habilidade praticada repetidamente. E foi assim que durante muito tempo surgiram os profissionais da Micropigmentação. A prática desse talento levava à perfeição. Nada de errado nesse esquema personalizado formador de excelentes profissionais especializados que são destaque ainda hoje no Brasil e no mundo. O ponto fraco determinante desse caminho é definitivamente o tempo.

É necessário um longo caminho de tentativas, entre erros e acertos, para descobrir o que efetivamente funciona. E isso leva muito tempo. O grande problema é que nesse percurso os profissionais acabam ficando frustrados e os clientes extremamente insatisfeitos, muitas vezes com resultados definitivos e inadequados. E isso não deveria continuar assim.

Diferentemente de quem começou entre 1986 e 2015, os novos profissionais já podem (e devem!) contar com fonte de estudo especializado através de uma faculdade. Graduação em Estética e Cosmética, Biomedicina, Fisioterapia. Pós-graduação em Dermopigmentação, Cosmetologia, Visagismo. Isso entre tantas outras fontes de estudo direcionado que abrangem a prática, porém com algum conhecimento já estabelecido. Nesse novo quadro, palavras como talento e habilidade são substituídas por análise, pesquisa e ciência.

Quando o estudo tem por objetivo alcançar o conhecimento de novas tecnologias ele recebe o nome de pesquisa. E essa pesquisa leva a um ambiente de atendimento diferenciado, vestimenta adequada do profissional, utilização de equipamento de proteção individual (EPI´S), utilização de descartáveis, busca por atualizações, investimentos em tecnologia e com isso muito mais responsabilidade do profissional diante do cliente. Segurança! E isso não é tudo.

Estamos vivendo um momento de transição, onde muitos profissionais estão sendo malformados e muitos cliente mal informados. Levando nosso universo da pigmentação a caminhar lado a lado com a evolução também da despigmentação. E a remoção enfrenta a mesma catarse dos não formados buscando uma habilidade adquirida que demorará séculos para ser transformada em saber. Tão mais fácil estudar…

A nova era da Dermopigmentação é investir em estudo e em tecnologia. Não há mais tempo para erros e consertos. Não há mais tempo para alcançar nem o menos talentoso. A compreensão finalmente ultrapassou o tempo e a tão delongada prática.

Pergunto a você, leitor, utilizando uma bela frase de Sigmund Freud: “Qual a sua responsabilidade na desordem da qual você se queixa?” O estudo especializado é uma realidade. Conto com você!

Kathrin Schmidt é micropigmentadora, graduada em Estética e Cosmetologia e pós-graduada em Estética e Saúde. Amante dos estudos, acredita na profissão e na profissionalização adequada. Atualmente cursa pós-graduação em Cosmetologia Estética.

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Conectado como guppy. Sair?