Toda mancha tem uma história…

0
189

Ana tem 39 anos e é mãe de três filhos. Nas suas duas primeiras gestações não teve nenhum problema com manchas na pele. Na terceira gestação, que coincidiu com uma grande mudança de vida, as manchas apareceram em toda face. Esse foi o motivo que fez Ana procurar ajuda de diversos profissionais nos últimos dois anos. Durante esse tempo, ela já se submeteu a diversos tratamentos: desde peelings químicos profundos, lasers e até mesmo produtos clareadores à base de hidroquinona. Infelizmente nenhum tratamento apresentou resultados satisfatórios e duradouros. Ana vive um momento de grande estresse, pois está morando longe da família, precisou largar a carreira de advogada para cuidar dos filhos, vive uma crise em seu casamento e está com baixa autoestima por conta de suas manchas e por não conseguir emagrecer.
João tem 24 anos, é surfista profissional e adora a vida ao ar livre. Como tem um fototipo baixo, desde muito pequeno já tinha sardas na face, colo e costas, assim como seus familiares. Ele surfa desde os 7 anos de idade e suas sardas que antes eram pequenas, hoje aumentaram em número e tamanho e passaram a incomodá-lo. João tem receio de procurar especialistas para tratar sua pele, pois seus amigos que procuraram tratamento para a mesma questão foram orientados a utilizar produtos clareadores e deveriam parar de pegar sol. Como o surf é sua profissão, isso seria impossível.
Liz tem 33 anos e é designer gráfica. Passa o dia inteiro dentro de seu escritório, trabalhando de frente para o computador, debaixo de luzes artificiais. Notou algumas manchas no rosto há alguns meses, que aumentaram durante uma viagem longa pela Europa, quando fugiu de sua alimentação equilibrada, dormiu pouco e se expôs diariamente ao frio europeu.

Após ler estes três casos clínicos fictícios é possível reconhecer que cada mancha hipercrômica possui características muito peculiares. Cada indivíduo possui estilos de vida diferentes, diferentes estados emocionais, está exposto a climas e agentes agressores diferentes.
Esta breve tentativa de ilustrar os diversos casos que podem aparecer em nossos espaços de atendimento é acima de tudo uma tentativa de chamar atenção para a singularidade de cada hipercromia. E, partindo desse princípio, torna-se evidente que para cada caso, existirão estratégias terapêuticas diferenciadas e específicas.
Pois, se existisse uma fórmula mágica para clarear definitivamente qualquer tipo de hipercromia, não existiriam tantas discussões e tanta insatisfação acerca deste assunto.
A quantidade de pessoas com queixas de tratamentos que não deram certo e a insistente divulgação de protocolos prontos para o tratamento das hipercromias, traz à tona uma questão muito delicada: somos profissionais capazes de intervir eticamente, baseados em literatura científica e respeitando o princípio da individualidade biológica para traçarmos estratégias seguras e eficientes ou somos meros repetidores de receitas pré-fabricadas?
O profissional que se propõe a oferecer em seu espaço tratamentos para as hipercromias, necessita ser um contínuo pesquisador dos aspectos que envolvem a sua gênese. Adquirir formulações sem conhecimento profundo de citologia, histologia, processos bioquímicos e fisiologia é, no mínimo, irresponsabilidade.

É importante compreender que, ao avaliarmos um cliente que se queixa de uma determinada hipercromia, não estamos diante somente de uma hipercromia e sim de um ser altamente complexo.
Precisamos ser verdadeiros detetives para encontrar os pontos chave na formação desta hipercromia, avaliar as condições de saúde deste indivíduo, aspectos da pele, estado emocional, hábitos alimentares e demais hábitos de vida e qualquer outro aspecto que seja relevante no entendimento global do problema.
Que sejamos capazes de escapar da armadilha dos modismos, disfarçados de fórmulas mágicas. Que sejamos incansáveis na busca de conhecimento e soluções específicas para cada cliente e que principalmente sejamos capazes de ouvir nosso cliente e fazer de sua história um dos pontos chave para o sucesso de seu tratamento estético!

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here