Tipos de Edema

0
4039

No texto anterior eu abordei a diferença entre edema e linfedema. Nesse texto vou apresentar os diferentes tipos de edema e algumas características.

O edema é definido como acúmulo de quantidades anormais de líquido nos espaços intercelulares ou nas cavidades do organismo. Possui concentrações normais de proteínas, isso é o mais importante. As causas podem ser variadas: aumento da pressão hidrostática do capilar, redução da pressão coloidosmótica do capilar, aumento da pressão coloidosmótica do interstício, redução da pressão hidrostática do interstício e aumento da permeabilidade do vaso. Se existe alguma condição que altere essa correlação de forças ou a permeabilidade vascular, pode ocorrer o edema. (Cordeiro, 1993).

Vou citar alguns tipos de edema e suas características:

Edema cardíaco:

É aquele causado por uma insuficiência cardíaca. Ocorre acumulo de sangue no sistema venoso que eleva a pressão intravenosa dificultando assim a entrada da linfa no sistema venoso. Por consequência os vasos linfáticos se dilatam e suas válvulas se tornam deficientes causando o edema.. Geralmente são simétricos, localizado na parte baixa do organismo principalmente região pré-maleolar. Geralmente melhoram com decúbito, são mais intensos no fim do dia e não respondem a drenagem manual.

Edema renal:

Pode ocorrer caso o rim perca sua capacidade de eliminar as  quantidade normais de urina, ocorre assim o aumento da pressão capilar. O edema se localiza em locais com grande quantidade de tecido conjuntivo frouxo:  na face em volta dos olhos e pode afetar as extremidades. É Mais intenso pela manha e a posição do corpo quase nada afeta o edema. Pode ser tratado com drenagem, mas é imprescindível indicação e acompanhamento médico.

Edema hepático:

Algumas hepatopatias cursam com edemas graves, que ocorrem devido ao aumento de pressão da veia aorta produzindo saída de liquido para a cavidade abdominal. Haverá consequências na circulação dos MMII, aumentando o volume venoso, que juntamente com a falta de síntese de albumina pelo fígado favorecerá a aparição de edemas nos MMII. Pode-se utilizar a drenagem e recomendável acompanhamento médico.

Edema nutricional:

Edemas devido à falta de proteínas nos capilares sanguíneos o que diminui a pressão oncótica capilar diminuindo a absorção. A causa da falta de proteína pode ser devido a dieta restritiva ou patologias que dificultem a absorção das mesmas. Pode ser tratado com drenagem, mas é imprescindível a correção do problema, seja ingesta adequada ou solução da patologia em questão.

Edema inflamatório:

No local onde se dá a inflamação aparece vasodilatação arteriolar, vasoconstrição nas vênulas e um espasmo dos vasos linfáticos por liberação de substâncias vasoativa o que aumenta o aporte sanguíneo e a infiltração ate o espaço tissular ocorrendo o edema.  A drenagem não se aplica nesses casos.

Edema alérgico:

Instala-se de modo súbito e rápido; por este motivo a pele torna-se lisa e brilhante, podendo também apresentar-se com a temperatura aumentada e coloração rubra. Trata-se de um edema mole e algo elástico. Pode ser generalizado, mas costuma restringir-se a certas áreas, principalmente a face.

O fator principal na sua formação é o aumento da permeabilidade capilar. Da reação antígeno-anticorpo surgem diferentes substâncias dentre as quais as histaminas e as cininas, que, agindo ao nível capilar alteram a sua permeabilidade. Tal alteração permite a passagem de água para o interstício entre as células. A drenagem é muito útil nesses casos.

Edema gravídico:

A gravidez por ação hormonal aumenta a permeabilidade capilar e diminui a pressão oncótica plasmática o que leva a formação de edema. O aumento da progesterona e da aldosterona reduz a eliminação de sódio pela urina o que leva ao edema de MMII ( mais intenso em região maleolar) que piora quando a paciente fica em pé, mas melhora em decúbito ou com elevação das pernas, nesses casos a drenagem é extremamente indicada.

Edema pré-menstrual:

O edema pré menstrual também é chamado de cíclico idiopático ocorre por retenção intersticial de água e sódio causada pelo estrógeno (que também atua nos rins aumentando a reabsorção de água e sódio piorando o quadro). Geralmente se inicia uns 7 dias antes da menstruação. É Mais acentuado de dia que de noite e decorre do aumento da permeabilidade capilar. Pode ser tratado com drenagem, além de aliviar o edema alivia a mastodínea (sensação dolorosa nas mamas)

Edema iatrogênico:

Sua causa está na ingestão de fármacos como corticoides, anticoncepcionais, alguns anti-inflamatórios, laxantes e podem diminuir o potássio no sangue. Esse tipo de edema é produzido com o aumento da pressão capilar e a drenagem ajuda na eliminação do excesso de líquido.

Edema venoso ou fleboedema:

Ocasionado pelas varizes, que apresentam suas válvulas com problemas.  Edema geralmente nos maléolos pela manha e acompanhado de sensação de cansaço nos MMII. Melhora com movimento devido ação muscular e bombeamento, no inicio é brando e intermitente e se não for tratado pode se tornar duro permanente devido a dermatofibrose que leva a falha do sistema linfático. Pode estar associado com hiperpigmentação. O tratamento com DLM deve ser associado ao tratamento das varizes. Indica-se, portanto o acompanhamento com médicos.

Edema pós- trombótico:

Aparece devido à sequela de trombose superficial ou profunda, possui as mesmas características do edema venoso. Pode aplicar a drenagem desde que esteja na fase crônica e já medicado e sempre com acompanhamento médico.

Edemas em Queimados:

Produzidos devido ao aumento da permeabilidade capilar. .A elevação da temperatura produz vasodilatação, aumentando a pressão e o diâmetro  dos poros da membrana. Esses efeitos potencializam a perda de proteínas e aparição do edema. Excelente recuperação com drenagem e acelera o processo de cicatrização. Deve ser feito por profissional que esteja acostumado a trabalhar com esse tipo de paciente devido diversas características importantes a serem consideradas

Edemas traumáticos:

Após lesões traumáticas. Acontece por ruptura de vasos sanguíneos e linfáticos com conteúdo sendo deslocado para meio intersticial formando hematomas que geralmente são absorvidos pelo linfático. Drenagem acelera seu desaparecimento e evita encapsulamento e formação de fibrose.

Edema cerebral:

Origina-se por aumento da produção do liquido cefalorraquidiano. Deve ser drenado cirurgicamente ou aguardar absorção pelo próprio organismo.

Mixedema:

É um edema duro e com aspecto de pele opaca, geralmente causado por um hipotireoidismo prolongado. Acumulo de mucopolissacarídeos no espaço intersticial, principalmente acido hialurônico e proteínas manifestando na derme como um edema duro geralmente na face, nuca, dorso de mãos e pés em pessoas com alteração na tireoide.

Como podem ver, nem todo tipo de edema melhora com drenagem e é extremamente importante saber identificar e ter um acompanhamento médico quando necessário. Espero que tenham gostado

Referências:

Vairo GL, Miller SJ, McBrier NM, Buckley WE. Systematic Review of Efficacy for Manual Lymphatic Drainage Techniques in Sports Medicine and Rehabilitation: An Evidence-Based Practice Approach. J Man Manip Ther. 2009; 17(3):80–9.

Tacani RE, Tacani PM. Drenagem linfática manual terapêutica ou estética: existe diferença? Rev Bras Cienc Saúde. 2008;17:71-7.

Herpertz, U. Edema e drenagem linfática – diagnóstico e terapia do edema. Editora Rocca, 2006

Ferreira JJ, Machado AFP, Tacani R, Saldanha MES, Tacani PM, Liebano RE. Drenagem linfática manual nos sintomas da síndrome pré-menstrual: estudo piloto. Fisioter Pesq; 17:75–80, 2010.

Bamigboye AA, Hofmeyr GJ. Interventions for leg edema and varicosities in pregnancy. What evidence? Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2006;129(1):3-8.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here