Siringoma, Milium e Comedão fechado

0
8610

Hoje vou falar sobre três lesões de pele extremamente frequentes na estética e que compreender suas diferenças e saber identificá-las é extremamente importante para evitar erros e cicatrizes nos clientes, já que cada uma delas se trata de forma específica e diferenciada. Muitos profissionais acreditam que dominar as técnicas de tratamento é o que é mais importante na estética, mas não podemos esquecer que saber identificar lesões e avaliar é o que vai nortear a escolha da melhor técnica e dessa forma se obter o sucesso ou fracasso da terapia.

siringomaO Siringoma é um tumor benigno derivado dos ductos de glândulas sudoríparas. São lesões pequenas que geralmente se localizam na região dos olhos (muitas vezes confundidos com milliuns), da cor da pele ou amareladas, geralmente são mais achatados e de consistência endurecida. O tratamento aqui é remoção com dermatologista. Há uma tendência genética para o desenvolvimento deles. Histologicamente, o siringoma consiste da proliferação de numerosos pequenos ductos das glândulas sudoríparas acometidas, cujas paredes são revestidas usualmente por duas fileiras de células epiteliais achatadas, localizadas na derme papilar e reticular superior (segunda camada da pele). Alguns ductos ficam tão proliferados que ao microscópio observamos como se fossem pequenas caudas semelhantes a vírgulas, dando-lhes a aparência de girinos.

milium (1)O Milium é um cisto formado por acúmulo de queratina, são superficiais e na maioria das vezes epidérmicos. São lesões esféricas, geralmente móveis, indolores, de consistência elástica ou endurecida. Podem variar de pequenos cistos (menores de 1cm) até lesões com vários centímetros de tamanho. Seu tratamento consiste em ser retirado com agulhas por profissionais capacitados. Geralmente encontrados na face, especialmente ao redor dos olhos.

acne_comedO comedão fechado é o resultado da obstrução de um folículo piloso da pele (poro) por queratina e sebo. Surgem como pequenas lesões ligeiramente elevadas, de 1 a 3 mm de diâmetro. Geralmente é esbranquiçado ou da cor da pele e sua localização ocorre em toda a face. O tratamento é feito através de limpeza de pele extraindo-se o comedão.

 

Referencias

AZULAY, R. D.; AZULAY, D. R. Dermatologia. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

SAMPAIO, S. A. P.; RIVITTI, E. A. Dermatologia Básica. 2ª ed. São Paulo: Artes Médicas, 2000.

Compartilhar
Artigo anteriorVocê sabe se terá queloide algum dia?
Próximo artigoRevista Negócio Estética 6 traz temas de inspiração como destaques
Mariana Negrão
Mariana Negrão é fisioterapeuta com 11 anos de experiência e diversas pós-graduações entre elas a de Fisioterapia Dermato Funcional e de Docência no Ensino Superior. Docente de diversas pós-graduações de fisio dermato e estética e Docente do curso de Bacharelado em Estética da Universidade Ahembi Morumbi e do Curso de Graduação em Visagismo da Universidade Anhembi Morumbi. Autora do blog Pérolas da Estética.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here