SÍNDROME DA DESARMONIA CORPORAL: UMA VISÃO SOBRE O USO DA TERAPIA COMBINADA E CARBOXITERAPIA

0
563

A grande busca dos pacientes por tratamentos corporais está diretamente ligada com a insatisfação e desconforto com o corpo, já que isso custa a forma com que o indivíduo se enxerga diante da sociedade. Quando o profissional da estética se depara com esse cenário, cabe uma avaliação completa das alterações que compõe o que chamamos de Síndrome da Desarmonia Corporal, composta por alterações da gordura corporal (gordura regionalizada e localizada), flacidez (muscular e cutânea) e celulite. Essas patologias devem ser juntas tratadas, de maneira personalizada, com um programa de tratamento desenhado para cada paciente. Para isso, a necessidade da interação de recursos físicos, cosméticos e manuais se faz necessária. Abordaremos, então, um desses pilares: recursos físicos, que, quando bem utilizados, promovem efeitos que muitas vezes eram considerados possíveis somente com cirurgia plástica. Hoje, a indústria nos proporciona recursos cada vez mais potentes, com resultados cada vez melhores, mas o cuidado com a submissão dos pacientes ao tratamento com esses recursos se faz cada vez maior. Vamos discutir alguns desses recursos: Terapia Combinada (ultrassom de alta potência e correntes terapêuticas) e Carboxiterapia.

A associação do ultrassom de alta potência às correntes terapêuticas no mesmo tempo de terapia, conhecida como terapia combinada, já é bastante conhecida no meio estético, pois assim é possível trabalhar mais de uma disfunção estética no mesmo tempo de terapia. A técnica de aplicação é bastante simples, feita de maneira dinâmica sobre a área de aplicação, com movimentos contínuos, circulares e lentos com o transdutor de ultrassom, tendo o gel como meio de contato (podendo ser utilizado até com ativos, para potencialização dos resultados) e, dependendo da corrente associada, uso de um eletrodo dispersivo próximo a área de tratamento.

Em relação ao Ultrassom de Alta Potência, permite tratamento eficiente mesmo com maiores espessuras de tecido adiposo e de grandes superfícies com menor tempo de sessão. Essa tecnologia associa efeitos térmicos e mecânicos que promovem vasodilatação e aumento da viscoelasticidade tecidual, cavitação, mecanotransdução do sinal, lipólise, angiogênese, efeito tixotrópico, entre outros. Indicado para tratamento da celulite, gordura localizada, pós operatório, hidrolipoclasia ultrassônica e tratamento da flacidez de pele.

A indústria oferece diversas correntes para a realização da terapia combinada. Entre as mais conhecidas, com resultados comprovados e objetivos definidos, estão: correntes para eletroestimulação (High Force – 1.000Hz e Russa – 2.500Hz), corrente para permeação de ativos (Polarizada), corrente regenerativa (MENS) e corrente para lipólise (Lipolysis). A corrente deve ser escolhida a partir da anamnese do paciente, onde o terapeuta verificará a maior necessidade e as etapas de tratamento. Dessa forma, cada paciente poderá receber um ou mais tipos de terapias combinadas, no decorrer das sessões e de acordo com seu acometimento e evolução.

Um excelente benefício dos equipamentos de Ultrassom de Alta Potência e Correntes Terapêuticas se baseia no fato que as correntes também sejam utilizadas de maneira individual e até sequenciais a terapia combinada, com eletrodos fixos, garantindo potencialização dos efeitos da corrente. Como exemplos temos: Eletrodrenagem linfática, Eletrolipólise, Fortalecimento muscular (aliado, inclusive a exercícios ativos), entre outros.

Por fim, a carboxiterapia, caracterizada como uma técnica minimamente invasiva, agrega grande valor nos tratamentos das adiposidades localizadas, flacidez de pele e do fibro edema gelóide (importante avaliar o grau). Trata-se de uma técnica de fácil aplicabilidade, poucos efeitos adversos e de ampla aplicação terapêutica. As patologias que melhor respondem aos efeitos desta envolvem na sua fisiopatologia, a hipoxigenação tissular. A administração subcutânea CO2 induz hipercapnia local (diminuição do pH local). Está bem estabelecido na literatura que o CO2 age como um potente vasodilatador. Estudos demonstram que infusão de CO2 no tecido celular subcutâneo, através de agulhas, não só melhora a circulação sanguínea nos tecidos isquêmicos, como aumenta a concentração local de oxigênio decorrente do efeito Bohr. As microlesões na pele e tecido subcutâneo causado pelas puncturas e pela distensão mecânica promovida durante a insuflação também estimulam o processo de reparo e regeneração tecidual com liberação de mediadores que favorecem a atividade fibrogênica e de remodelagem tecidual. Atualmente existem várias técnicas de aplicação, dentre elas a intradérmica, utilizada para tratamentos de pele, e subdérmica, para tratamento do tecido subcutâneo; todas elas de fácil e rápida execução, com resultados bastante significativos.

Como conclusão, devemos reforçar a importância da associação de recursos para os tratamentos corporais, visto que as alterações se encontram em vários tecidos e com comprometimentos distintos, tornando os tecidos desorganizados e não harmônicos. Cabe ao profissional da estética avaliar muito bem essas alterações, formular um programa de tratamento especial e individualizado com recursos que se completem e potencializem o resultado final. Vale lembrar que o paciente é co-responsável pelos resultados, devendo ser tratado de maneira multidisciplinar, com alimentação adequada e atividade física.

Com essa tríade (estética, alimentação e atividade física), podemos garantir resultados significativos e duradouros. Devemos trabalhar muito além da estética, atuar diretamente na qualidade de vida dos pacientes.

Compartilhar
Artigo anteriorPlataforma Digital é oportunidade de esteticistas lucrarem em casa
Próximo artigoComo sair do estado de ansiedade para um estado de recursos e novas possibilidades ?
Dra. Aline
Fisioterapeuta Pós-graduada em Fisioterapia Dermatofuncional/ Aprimorada em Fisioterapia Dermatofuncional Corporal/ Professora em pós graduações: Unipê (João Pessoa), ESB (Natal), ESB (Vitória), Biocursos e ESP (Manaus), UniCeuma (São Luís)/ Professora da graduação EAD Cruzeiro do Sul/ Professora de cursos na área de Fisioterapia Dermatofuncional – Brasil, Chile, Colômbia e Bolívia/ Experiência em consultoria à indústrias de equipamentos eletromédicos (10 anos)/ Coord. Dep. Treinamento e Aperfeiçoamento Técnico-Científico da HTM.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here