O Kinesio Taping na Fisioterapia Dermatofuncional

0
3346

01

O Kinesio Taping é uma técnica de aplicação de bandagens elásticas funcionais, desenvolvida na década de 90 pelo japonês Kenzo Kase, que tem sido utilizada em larga escala na prevenção e reabilitação de lesões, principalmente no meio desportivo. De forma interessante, a aplicação da bandagem na pele de qualquer segmento corporal, dependendo do seu recorte (formato) e da quantidade de tensão empregada (0 a 100%), teoricamente, geraria diferentes efeitos fisiológicos, entre eles a redução da dor e edema, melhora da atividade muscular e mobilização do tecido cicatricial. Levando em consideração esses fatores, mais recentemente, o uso do Kinesio Taping tem atraído a atenção dos profissionais da Fisioterapia Dermatofuncional.

Nessa área, a aplicação da bandagem está sendo direcionada para dois tipos comuns de problemas: o linfedema e o pós-operatório de cirurgias plásticas. Assim, o objetivo do fisioterapeuta é reduzir o edema e dor, a partir da aplicação constante do Kinesio Taping, com baixas tensões (entre 0 e 15%) e no sentido favorável para o retorno linfático do local. Existem vários tipos de recorte indicados para esses casos, mas o importante é que a bandagem seja posicionada envolvendo a maior parte possível do local afetado. Em grande parte dos casos, os resultados clínicos surpreendentes são explicados, teoricamente, pelos estímulos táteis gerados pela bandagem, que ocasionariam uma pequena elevação da pele e aumento do espaço intersticial, favorecendo a reabsorção do edema e a diminuição da dor (por diminuição da pressão local).

Em longo prazo, outro tipo de complicação importante do procedimento cirúrgico é a cicatriz, que muitas vezes se torna espessa e fibrosa. O objetivo do fisioterapeuta é reduzir ou reverter esse processo, de modo que o Kinesio Taping é recomendado com altas tensões (50 a 75%), aplicado de forma sinuosa, gerando vetores de força que servirão para mobilizar a cicatriz constantemente em diferentes direções. Porém, só é indicada a aplicação da bandagem em tecidos totalmente cicatrizados.02

Por ser um recurso recente, o Kinesio Taping ainda carece de evidências sobre os seus reais efeitos e tem sido bastante testado em pesquisas científicas, inclusive envolvendo outros tipos de alterações, como a flacidez (seguindo a idéia de aumento da atividade muscular) e a popular “celulite” (pela redução do edema). Enquanto os resultados ainda não são claros, devemos visualizar os bons resultados clínicos da técnica buscando evidencias cientificas. Futuramente, quem sabe, poderemos entender melhor como esse recurso funciona, podendo utilizá-lo em larga escala na Fisioterapia Dermatofuncional.

Colaboração: Msd. Rafael Limeira Cavalcanti

Bibliografia

Kase K, Stockheimer KR. Kinesio Taping for lymphoedema and chronic swelling. 2nd Edition. Kinesio USA, LLC, 2006.

Tsai H, Hung H, Yang J, Huang C, TSAUO, J. Could Kinesio tape replace the bandage in descongestive lymphatic therapy for breast-cancer-related lymphedema? A pilot study. Support Care Cancer. 2009; 17: 207-215.

Branstiter G. The use of KinesioTape for the management of post-surgical scar tissue – a Case Study. In: American Society of Hand Therapists 31st Annual Meeting, Boston MA, 2008.

Chandia PY. Consideraciones generales sobre la técnica de tapinglinfático o vendaje neuromuscular. Linfologia: tratamiento transdisciplinar. 2009; 43 (15): 22-29.

Godoy JMP, Braile DM, Godoy, MFG. Bandagem co-adesiva e de baixa elasticidade no tratamento do linfedema. Rev Angiol Cirurg Vasc. 2003; 12 (3): 87-89.

 

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here