Metilxantinas

0
2717

Durante a evolução da humanidade o padrão de beleza sofreu várias mutações, onde, devido a grande massificação das comunicações, surgiu uma tendência de padrão estético, no qual a adiposidade e a irregularidade da pele são pouco aceitas pela sociedade.

Atualmente, para alcançar o padrão de beleza, a mulher, principalmente, busca uma série de recursos como dietas, medicamentos, exercícios e, até mesmo, intervenções cirúrgicas, na tentativa de aprimorar ou manter uma boa aparência estética. Porém é necessário lembrar que a estética deve estar concomitante com a saúde do individuo.

Uma das principais preocupações é a famosa celulite. Muitos termos são utilizados para designa-la, contudo, a denominação fibro edema gelóide tem-se demonstrado como conceito mais adequado para descrever a patologia. Para a maioria dos pesquisadores, o termo celulite, apesar de inadequado, pode ser utilizado, pois é assim conhecido e usado tanto por profissionais da área de saúde como entre as pacientes em consultórios e clinicas, mas é errôneo para escrever trabalhos e artigos.

O fibro edema gelóide (FEG) é uma afecção multifatorial e para que seu tratamento obtenha resultados positivos é necessária uma avaliação detalhada envolvendo toda propedêutica e que a profissional escolha procedimentos e cosméticos mais adequados, de acordo com cada cliente.

Durante o processo celulítico ocorre uma modificação da substância fundamental amorfa do tecido conjuntivo, produzindo uma reação fibrótica consecutiva que, em graus mais avançados, pode evoluir para esclerose.

Em decorrência dessas alterações, ocorre uma compressão contínua dos elementos do tecido conjuntivo, entre eles, terminações nervosas. Com este quadro histopatológico, compreende-se, facilmente, a aparência nodulosa inestética na epiderme e a presença de dor à palpação desproporcional à pressão exercida ou mesmo sem motivo externo.

Assim, o fibro edema gelóide, além de ser desagradável aos olhos do ponto de vista estético, ocasionando problemas de ordem psicossocial, originados pela cobrança dos padrões estéticos dos dias atuais, pode, ainda, acarretar problemas álgicos nas zonas acometidas e diminuição das atividades funcionais.

Portanto, se de acordo com a Organização Mundial de Saúde, o indivíduo só é saudável quando possui um equilíbrio biopsicossocial, então o fibro edema gelóide já pode ser considerado um problema de saúde.

Contudo a indústria de cosméticos tem utilizado as metilxantinas, como a cafeína e a teofilina como os ativos mais utilizados para o tratamento do Fibro Edema Gelóide onde sua atuação ocorre como lipolítico e melhora o metabolismo celular.

A cafeína ou 1,3,7-trimetilxantina é lipossolúvel e, quando ingerida, é rapidamente absorvida pelo trato gastrointestinal; sua metabolização acontece no fígado, iniciando com a retirada dos grupos metila 1 e 7, reação catalisada pelo citocromo P450 1A2, levando à formação de três grupos metilxantina.

Sua ação lipolítica se deve à mobilização dos ácidos graxos livres dos tecidos ou estoques intramusculares. Atua ainda como competidor dos receptores de adenosina e como estes atuam inibindo a lipólise, tem-se um aumento nos níveis de AMPc, que ativa as lipases hormônios sensíveis, promovendo a lipólise.

Sua ingestão pode contribuir para o aumento da perda de peso e para a manutenção do mesmo, através da oxidação da gordura e termogênese. Seu efeito estimulante sobre o sistema nervoso central se dá pelo aumento da concentração plasmática de noradrenalina, assim estimula o processo lipolítico ao inibir a fosfodiesterase, aumentar a meia-vida do AMPc e, consequentemente, a atividade da proteína quinase A (PKA) e da lipase hormônio sensível (LSH).

A teofilina tem taxa de permeação cutânea inferior à cafeína, baixa solubilidade em água e efeitos secundários marcantes, mas o ácido teofilino acético, um derivado da teofilina, é hidrossolúvel e seguro para uso tópico.

Outro princípio ativo muito utilizado é o chá verde, extraído a partir da Camellia sinensis. Este chá contém polifenóis, metilxantinas, epigalocatequina- 3-galato, entre outros componentes.

Estudos in vitro realizados avaliaram os efeitos do chá verde na hipertrofia e diferenciação de pré-adipócitos e adipócitos, sendo observada uma redução de mais de 70% na quantidade de triacilgliceróis quando comparando com as células controle.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here