Hidratação cutânea – Parte 2

0
638

Há evidência de que a melhor aparência eleva auto-estima e implementa as relações sociais e profissionais. Estejam os pacientes buscando a melhora de cicatrizes da acne ou das linhas frontais que surgem com os anos, não há dúvida que a avaliação detalhada deve ser realizada por profissional especializado.

Na anamnese são necessários alguns cuidados básicos, e saber ouvir é o principal. Padrões estéticos são culturalmente determinados e diferem muito entre as pessoas. O profissional não deve sugerir ou acrescentar queixas, e sim disponibilizar-se a ouvi-las e debatê-las com o seu paciente. A anamnese deve ser cuidadosa no que diz respeito aos hábitos cosméticos, assim como às atividades ao ar livre, dada a importância da exposição solar na orientação ao paciente. A avaliação da pele é complexa, é possível que tenhamos, por exemplo, uma pele hiperseborreica e desidratada, por isso a avaliação deve ser a garantia de que o tratamento correto será aplicado no paciente.

O surgimento de  milhares de  novos  produtos cosméticos, cosmecêuticos e a grande preocupação por algumas áreas tecnológicas, aumentaram também  as exigências de comprovações  desses produtos. Alguns  métodos científicos nasceram  para validar a real eficácia, as indicações e os efeitos adversos desses novos tratamentos.

Os produtos hidratantes elaborados para a pele normal contêm predominantemente água, óleos minerais e propilenoglicol com quantidades mínimas de petrolato ou lanolina. Os principais ativos usados em formulações para a hidratação a pele normal são as ceramidas, as vitaminas e o PCA-Na. As ceramidas têm um importante papel na função da barreira da pele, enquanto as vitaminas são um aditivo aos hidratantes. O PCA-Na é o principal componente do fator natural de hidratação da pele (NMF) e apresenta alta capacidade de hidratação, auxiliando na reposição da umidade  natural da pele.

Os hidratantes para as peles oleosas devem conter princípios ativos hidratantes, como PCA-Na e hidroxietilureia, e também devem apresentar substâncias que reduzam o sebo da superfície da pele e proporcionem efeito refrescante.

Entre os princípios ativos utilizados nos cremes emolientes para peles secas estão  o ácido hialurônico, a vitamina C, os oligoelementos, a uréia, o lactato de amônio, alantoína e os óleos vegetais de amêndoas doces, semente de uva, macadâmia, gergelim, oliva e algodão. O tratamento da pele seca também requer o uso de formulações para a prevenção e o tratamento do envelhecimento cutâneo. Estas formulações devem ser multifuncionais, ou seja, devem atender às diferentes necessidades da pele seca e envelhecida.

Várias metodologias não invasivas foram desenvolvidas para proporcionar a medição rápida da hidratação cutânea.

A biometria é uma ciência que procura traduzir numericamente os fenômenos biológicos, estabelecendo relações entre os dados obtidos, com o fim de determinar as leis que os regem. Compreende um conjunto de métodos aplicados para diversas medidas. Utilizam-se instrumentos não invasivos para avaliar propriedades físico-químicas da pele, como oleosidade, hidratação, tônus, pH da pele, perda transepidérmica de água, propriedade de fricção da pele, entre outras. A biometria se realiza por meio de diferentes aparelhos.

A medida da perda de água transepidérmica indica o vapor d’água perdido através da superfície cutânea por difusão passiva. A importância dessa medida é avaliar a função de barreira da pele, que, por exemplo, fica reduzida na pele fotoexposta. A hidratação subcutânea é determinada pela medida da capacidade elétrica. A capacidade da água intracelular de conduzir elétrons no tecido subcutâneo se mede por um aparelho denominado corneômetro (corneometer), os seus princípios são baseados na avaliação da capacitância, como um parâmetro importante na avaliação da hidratação do Estrato córneo. Esta técnica é baseada numa unidade de controlo automática, que origina e transmite um campo eletromagnético que penetra na pele. A porção de energia do campo eletromagnético que não é absorvida pela água dos tecidos, é refletida e é detectada pela mesma sonda que transmitiu o campo eletromagnético. Através da leitura, obtém-se o valor de constante dielétrica, que é proporcional à quantidade de água no tecido medido. A medição com o Corneometer® permite obter resultados de hidratação a uma profundidade constante de 30μm.

A introdução de novos métodos que permitem a medição da hidratação da pele no Estrato Córneo, e que tem em consideração a espessura deste. Estudos efetuados, sugerem uma maior sensibilidade deste sistema o que justifica recorrer-se a este aparelho quando o propósito é avaliar a quantidade de água nas camadas mais profundas da pele (EC, derme e tecidos subcutâneos). Os aparelhos (se baseiam nas alterações das propriedades eléctricas da pele que a hidratação produz e também na medição da “capacitância” ou condutividade elétricas .

O dano à barreira cutânea prejudica o seu correto funcionamento e pode ser ocasionado por diversos fatores:

  1. O uso de solventes, sabonetes e detergentes que eliminam a gordura da pele e favorecem a sua desidratação;
  2. O uso de buchas, esponjas abrasivas, escovas de banho ou esfoliantes pode comprometer a integridade da barreira;
  3. Doenças da pele como a dermatite atópica, psoríase ou ictiose;
  4. Dietas pobres em nutriente e líquidos;
  5. O hábito de tomar banhos muito quentes;
  6. Fatores ambientais que favorecem a evaporação da água através da pele, diminuindo o seu grau de hidratação, como o vento, sol, frio intenso e ar seco;
  7. O envelhecimento e a consequente menor produção da matriz lipídica e redução do teor de água da pele, devido ao aumento da sua evaporação.

O ressecamento da pele é um dos resultados do comprometimento da barreira cutânea e apresenta diversos sinais, como: aspereza, perda da elasticidade, descamação e rachaduras. Pode ser acompanhado de sintomas como coceira e ardência ao contato com substâncias irritantes.

É possível restaurar a barreira cutânea evitando-se os fatores agravantes descritos acima e associando o uso de hidratantes que ajudem a recompor o teor de água da pele ou a evitar a perda da mesma através das células epidérmicas.

Para a ter a hidratação ativa e prolongada da pele , e’ necessário a aplicação diara e consecutiva  de cosméticos e mais de uma vez

A hidratação cutânea é, sem dúvida alguma, uma das modalidades terapêuticas mais empregadas pelos especialistas em sua prática diária. O bom conhecimento dos mecanismos fisiológicos para se manter a pele hidratada, bem como as condições que são capazes de quebrar tal equilíbrio e os mecanismos de ação dos principais princípios hidratantes existentes no mercado são fundamentais para a obtenção de uma conduta  ideal que, realmente, beneficie a saúde da pele .

Colaboração: Katia Ferreira, acadêmica de Estética

Referencias Bibliográficas

COSTA, Adilson. Hidratação cutânea. Indexado na LILACS sob nº: S0034-72642009002500004

KEDE, Maria Paulina Villarejo; SABATOVICH, Oleg. Dermatologia Estética. 2° ed. São Paulo: Atheneu, 2009.

ROSADO, C., RAIMUNDO, H., RODRIGUES, L.. Acerca da Medição da Hidratação “profunda” da Pele / About “Deep” Skin Hydration Measurement.Revista Lusófona de Ciências e Tecnologias da Saúde, América do Norte, 0, Jul. 2009. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/revistasaude/article/view/728/608>. Acesso em: 31 Mai. 2013.

Manela-Azulay M, Cuzzi T, Araújo-Pinheiro JC, Azulay DR, Bottino-Rangel G. Métodos objetivos para análise de estudos em dermatologia cosmética. An Bras Dermatol. 2010;85(1):65-71. Disponível em: <>. Acesso em: 31 Mai.2013.

PANDOLFO, Maria Lúcia Martins. Do leite de cabra à biotecnologia – os avanços da estética e da cosmética na busca da beleza e da juventude .

http://www.sonbeauty.com.br/home/index.php?option=com_content&view=article&id=89:proeja-se-contra-os-produtos-sinteticos&catid=42:artigos

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here