Ginástica Facial: Porque ainda vemos tantos absurdos ?

0
609

Artigo elaborado com a colaboração da fisioterapeuta Evangelline Feitosa Daams

O envelhecimento causa uma perda do tônus natural da pele, a flacidez tissular. Sabe-se que os músculos da face se inserem na pele. Os músculos da face (músculos da expressão facial) movimentam a pele e modificam as expressões faciais.  A maioria dos músculos se fixa ao osso ou à fáscia e produz seus efeitos por tração da pele. As rugas faciais, podem surgir na região frontal e orbicular dos olhos por má orientação de exercícios. Infelizmente esta pratica é bastante frequente e acontece devido ao pouco conhecimento da cinesiologia facial.

Estes grupos musculares, frontal e orbicular dos olhos, que sofrem uma tensão constante devido a movimentos necessários a nossa acuidade visual ou por excesso de preocupação, necessitam de alongamentos e de relaxamento para evitar rugas bastante frequentes como as frontais e orbiculares dos olhos (¨pés de galinha¨).

Devido a sua característica de músculo cutâneo, o platisma, também chamado em espanhol de músculo “cutâneo del cuello” apresenta uma necessidade de fortalecimento mas que não deve estar relacionada a sua ação motora. Ele é bastante aderido à pele e apresenta pequeno percentual de fibras de contração muscular, tendo um componente de tecido conjuntivo muito forte, dando continuidade, na parte medial da face, ao sistema músculo aponeurotico superficial, também conhecido como “SMAS”. Devido a essas características, a ginastica facial não terá efetividade neste grupo muscular, sendo uma melhor opção de tratamento da flacidez de platisma a radiofrequência.

Sabe-se que a região medial da face apresenta características biomecânicas individuais e que esta variação de mimica facial depende de diversos fatores como hábitos, herança genética, estrutura óssea e ortognática, além de uso da musculatura durante a fala que favorece a contração de um grupo muscular mais que outro. Diante disto, há que se saber fazer uma boa avaliação de grupos musculares agonistas, antagonistas e sinergistas para não haver erros na utilização de determinados músculos e sobrecarga de alguns que atuam como sinergistas em determinados movimentos.

O movimento de risório pode acarretar contração de orbiuclares dos olhos como ação sinergista, mas a contração do zigomático maior pode desencadear ainda mais a contração dos orbiculares dos olhos, devido sua inserção estar muito relacionada a este musculo, consequentemente, em algumas pessoas, o sorriso de forma exagerada pode acarretar rugas na área dos olhos (“pés de galinha”). Portanto o fortalecimento do terço médio da face deve ser bem orientado com movimentos que não causem prejuízos.

Deve-se analisar bem a função muscular para criar um bom protocolo de ginastica facial individual. Há exercícios que são utilizados em casos de paralisia facial e no caso de rejuvenescimento e fortalecimento muscular, eles causam rugas dinâmicas e estáticas.

Finalmente, o profissional que se dedicar a ginastica facial deve ser profundo conhecedor da anatomia, cinesiologia e cinesioterapia dos músculos da face e com este conhecimento dominado, deve ser capaz de criar uma ginastica facial adequada ao caso do paciente, com series de repetições eficientes e movimentos com resistência, pois não é simples fortalecer um musculo, mesmo ele sendo um musculo facial.

E a ultima dica: só realize algo que você realmente tem domínio do conhecimento e busque as bases cientificas e capacitação para fazer de forma correta. A descrença nos resultados da ginastica facial vem da própria utilização incorreta dos exercícios e da falta de estudos sobre o tema.

REFERENCIAS:

MEYER, P. F. ; SILVA, R.M.V. ; DAAMS,E.F.C. ; DELGADO, A. M. ; Silva, E. M. ; OLIVEIRA, H. G. . Efeitos da Terapia Manual no rejuvenescimento facial. Terapia Manual, v. 11, p. 534-539, 2013.

MAIO, M. Classificação da Pele. In: _____. Tratado de Medicina Estética. São Paulo: Roca, 2004. V. I, cap. 14, p. 249-266.

TÔRRES, S. C.; COSTA, C.; FALTIN J.R.K. Estudo da posição natural da cabeça em relação ao plano horizontal de Frankfurt na avaliação mandibular de indivíduos com padrão facial de Classe I e Classe II. R Dental Press Ortodon Ortop Facial. Maringá, v. 11, n. 1, p. 84-98, jan./fev. 2006.

MOORE, Keith L.; DALLEY, Arthur F. Anatomia Orientada para a Clínica. 5 ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here