Ginástica facial e a importância na estética

0
842

É preciso uma reavaliação da imagem do rosto, onde os elementos: jovialidade, sensualidade e atratividade não sejam vistos como os únicos fatores que sustentam a autoimagem. O rosto deve ser instrumento de ação da personalidade. A autoimagem significa a representação mental ou psicológica que  o indivíduo tem de si mesmo, em todos os seus aspectos físicos, sendo de grande importância, pois a partir desta, ele interage com as pessoas em todos os níveis.

Músculos da expressão facial ou músculos mímicos

“Numerosos músculos, muito delgados e intimamente relacionados com o escalpo, pele  da face e pescoço pertencem a uma categoria especial de músculos que são comumente conhecidos como músculo dérmicos. O nome deriva  do fato destes músculos, contrariamente ao que se  sucede com todos os outros, não estão fixados em partes esqueléticas pelas suas extremidades. Os músculos dérmicos fixam-se apenas por uma de suas extremidades no esqueleto, enquanto a outra se prende na camada profunda da pele. Deste modo, eles podem mover a pele do escalpo e da face, modificando as expressões faciais. São denominados por esta razão, músculos da expressão facial, ou músculos mímicos. Esta entretanto não é  a sua única função. Alguns destes músculos guarnecem as aberturas das órbitas, nariz e boca, agindo como esfíncteres e promovendo, portanto, o fechamento ativo da rima palpebral, rima labial, e contribuindo, mesmo precariamente, para dilatação e constrição das narinas”   ( Dângelo e Fattini,1988).

“Embora em muitas expressões possam agir poucos músculos, a maioria deles resulta de ações combinadas de vários músculos e, assim, um mesmo músculo pode interferir na expressão de diversos estados emocionais. Sem dúvida, existem variações individuais no desenvolvimento e independência dos músculos mímicos e, portanto a expressão facial pode ser  mais rica em determinados indivíduos . Porém é certo que o treinamento destes músculos é possível , pois são voluntários. Todos os músculos mímicos são inervados pelo nervo facial”.

Esfíncter palpebral

O fechamento ativo das pálpebras é feito pelo m. orbicular do olho que possui três partes: palpebral, na espessura das pálpebras; orbicular com feixes concêntricos que contornam as pálpebras ; e lacrimal, parte mais profunda e medial do músculo. Quando se contrai a parte  orbicular, geralmente com lacrimal, as pálpebras cerram-se rápida e fortemente e a secreção lacrimal drena por suas vias de escoamento. A parte palpebral é responsável pelo fechamento voluntário suave da rima palpebral, pela ação de piscar, um reflexo importante na proteção do bulbo ocular e para espalhar a secreção lacrimal na superfície dos olhos, mantendo-os constantemente úmidos.

Esfíncter das narinas

Embora de pouca amplitude a dilatação da narinas pode ser importante quando a respiração se torna difícil. Dois músculos são responsáveis pela abertura das narinas: o depressor do septo  e a porção alar do m. nasal, também chamado de  m. dilatador do nariz.

Esfíncter labial

O fechamento e  abertura da rima podem ser passivos, consequentes aos movimentos da mandíbula, realizadas por outros músculos. O conjunto muscular bucinador-orbicular da boca  forma o elemento contrátil ativo para os lábios e bochecha. O m. bucinador é continuado posteriormente pelo m. constrictor superior da faringe e a junção se dá uma intersecção fibrosa, a rafe pterigomandibular. O bucinador se prende, superior e inferiormente, na maxila e mandíbula. Medialmente se funde com as fibras do músculo orbicular da boca que forma uma esfíncter elíptico em torno dos lábios. A contração leve dos lábios, e a total, cerra-os fortemente, comprimindo um com o outro. Os bucinadores comprimem as bochechas contra as maxilas e mandíbulas para manter os alimentos entre os dentes e a língua, na mastigação. São também importantes no assoviar e soprar. O músculo é perfurado pelo ducto da glândula parótida.

Outros músculos da expressão facial

 Muitos músculos faciais se inserem na pele  dos lábios e adjacências, contribuindo na movimentação  da pele facial,  além de separarem os lábios ou repuxarem parte deles para baixo ou para cima. Outros se situam  sobre a raiz do nariz, aproximando-se do supercílios e formando rugas transversais ou verticais nesta região, como ocorre na raiva ou na meditação profunda. Deste modo este músculos contribuem com ações combinadas, para numerosas expressões  faciais

Tonificação muscular

Para tonificar um músculo, todas as fibras devem ser movimentadas. Normalmente não se consegue isso de forma eficaz, uma vez que quando movemos um músculo rapidamente, a força da gravidade não permite que as fibras se disponham na sua totalidade, assim uma parte do músculo, permanece inativa. Cada músculo tem um movimento específico a realizar e outro para fazer oposto, que são chamados antagonistas, mas que trabalham em conjunto. Quando um músculo contrai para realizar um movimento, o outro relaxa na mesma extensão que seu par contraiu, permitindo movimentos suaves. Durante muito tempo, nutriu-se uma total falta de conhecimento a respeito dos músculos faciais, era ditado, que não se deve mover os músculos da face, sob pena de se ficar cheio de rugas

Isto significa que pessoa tensa mantém os músculos contraídos, sempre com a mesma expressão, deixando seus músculos antagonistas relaxados pelo mesmo período. Este constante estado de contração e relaxamento do músculo acaba por produzir na fase expressão indesejável, fazendo com que um  músculo perca seu tônus, porque nem um e nem  outro músculo é utilizado em sua totalidade.

Avaliação e tratamento

 Na avaliação é importante observar as simetrias musculares  da face através de observação dos movimentos faciais e da biometria , pois  pode restringir os movimentos bilaterais.

Biometria

A análise objetiva realizada com régua cirúrgica com intenção de avaliar numericamente os resultados obtidos antes e depois do tratamento, ou seja, antes da primeira e depois da vigésima sessão.

As medidas podem ser  observadas em quatro regiões da face:

Descrição

Objetivo

Medida 1

Ângulo dos lábios à borda externa dos olhos

Analisar m. zigomático maior e menor, m. orbicular da boca

Medida 2

Ângulo dos lábios à borda inferior do ouvido

Analisar m. bucinador, m. risório

Medida 3

Ângulo interno do olho ao início do escalpo

Analisar m. frontal, m prócero e m. orbicular do olho

Medida 4

Borda externa do ângulo do olho ao início do escalpo

Analisar o m. levantador da pálpebra, m corrugador dos supercílios e m. frontal

margareth_feres_artigo_02_img1“Os movimentos faciais normais são bilaterais simétricos: ambos os lados da face movem-se em movimentos idênticos. A pessoa normal é capaz de inúmeras combinações dos movimentos faciais, que incluem movimentos unilaterais e bilaterais assimétricos. A incapacidade de executar voluntariamente movimentos bilaterais simétricos é indício de fraqueza. Os movimentos faciais podem ser agrupados como movimentos antagonistas, envolvendo   três eixos de ação: a boca, o nariz e os olhos. As amplitudes extremas de movimento de cada eixo põem em jogo os movimentos .relacionados dos outros eixos” (Voss, et al., 1987).

Leitão 1972 relata que “nenhum outro recurso físico, além do movimento, reveste-se de tanta importância nos tratamentos de recuperação motora porque é somente a partir dela que se pode conseguir desenvolvimento da atividade e força muscular”.

O único meio de manter um músculo sadio e com tônus é usá-lo na total capacidade com consciência do movimento facial que está sendo executado

Os exercícios são simples. Na verdade, trata-se dos movimentos que usamos nas expressões rotineiras, baseia-se na utilização de diversas mímicas conforme diferentes músculos, mas de forma a movimentar intencionalmente, conscientemente determinados músculos da face.

Conforme a harmonização da função motora, ou seja, o reequilíbrio da musculatura a execução dos exercícios podem  vão evoluindo, podendo iniciar os exercícios resistidos, de  uma forma geral.

Todos os exercícios deverão ser realizados diariamente ,com a pele bem hidratada com cosméticos, na frente do espelho, sentada com postura ereta.

Os exercícios devem ser iniciados e finalizados  lentamente, O importante é a qualidade  e não a quantidade de exercício.

Indicações :

  • Prevenção o envelhecimento precoce da pele e músculo.
  • Recuperar  através da tonificação e oxigenação a pele e músculo após dietas e cirurgias plásticas

Contraindicações restritas

  • Pessoas portadoras de alterações na ATM ( articulação temporo mandibular )

Execução dos Exercícios faciais

  • Pálpebras e fronte
    • Feche os olhos e aperte-os por cinco segundos, em seguida abra-os bem devagar ,elevar as sobrancelhas o mais alto que puder ou seja olhar com surpresa manter por cinco segundos e voltar ao normal suavemente
    • Franzir a sobrancelha tentando aproximá-las, manter por cindo segundos e em seguida      erguê-las e manter os olhos bem abertos por cinco segundos e voltar ao normal.
    • Piscar alternadamente ora com o olho esquerdo, ora com olho direito, lentamente.

  • Nariz

    • Dilatar as narinas, manter por cinco segundos e em seguida deprimir e fechar as narinas.
  • Zigomáticos,orbicular boca e risório

    • Relaxe a articulação temporo mandibular e inspire profundamente e ao expirar diga “O” lentamente, de forma que seus lábios formem um círculo, em seguida feche os lábios, afastando os cantos da boca  dizendo “X”
    • Com os lábios fazer um “O” , manter  por cinco segundos e afastar os lábios dizendo “A”
    • Cobrir os dentes com os lábios e em seguida abrir e fechar a boca lentamente vinte vezes
    • Deslizar o lábio superior sobre o inferior

Para concluirmos , a reeducação da mímica em estética facial, traz elementos que abordam a anatomia e fisiologia dos músculos faciais, a relação da face com as emoções. É através da face antes mesmo da fala que nós nos expressamos e acessamos o outro. A jovialidade facial ganhou profunda importância, devido desenvolvimento da moderna sociedade industrial, quem não tem uma boa performance facial fica em desvantagem nas relações e conquistas. O envelhecer é um processo natural que fica mais evidente após a terceira idade e cada etapa tem suas belezas que devem ser preservadas. O uso exagerado e indevido de alguns grupos musculares da mímica facial traz como consequências as marcas da expressão causando aspecto de envelhecimento precoce. A abordagem  é realizada com exercícios simples e funcionais  da musculatura da face.

Bibliografia 

1.        BEUTTENMULLER, G. BEUTTENMULLER, V. Reequi/ibrio  da musculatura orofacial. Rio de Janeiro: Ed. Enelivros, 2.ed., 1995.

2.        BERTHERAT, T. O corpo tem suas razões. 17.ed. São Paulo: Martins Fontes Ed., 1996.

3.        CARLUCCI, A. Programa de restauração da faceAtualização em cirurgia Plástica — SBCP — Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, 1994.

4.        CAROLYN  KISNER, M. S. Exercidos Terapêuticos. Fundamentos e Técnicas 3.ed. Ed. Mande, 1992.

5.        DAVIS, F. A comunicação não verbal. 5.ed. Summus Editorial. São Paulo, 1979.

6.        DÂNGELO, J.G.; FATTINI, C.A. Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. Rio de Janeiro e São Paulo: Ed. Atheneu, 2.ed.,1997.

7.        DOUGLAS, R.C. Tratado de Fisiologia Aplicada às Ciências da Saúde. Robe Ed. 1.ed., 1994.

8.        FADMAN, J et.al., Teorias da Personalidade. São Paulo :. Ed. Harbra.

1.ed., 1986.

9.        FARIA, J.C.M. et.aI. Atualização em Cirurgia Plástica Estética. Ed. Botuira, 1994.

10.      GOLEMAN, D. lnteligência Emocional, 1.ed. Ed. Objetiva, 1995.

11.GUIRRO, E; GUIRRO, R. Fisioterapia em Estética; Fundamentos, Recursos e Patologias. Ed.Manole. 2 ed., 1996.

12.      GUYTON, A.C. Fisiologia Humana. Ed. Guanabara Koogan. 6. ed., 1988. Pp  115-130.

13.      GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. Ed. Guanabara koogan. 9.ed., 1997.p.551 -555.

14.      HAKME, F. Atualização em cirurgia Plástica Estética. Ed. Botuira, 1994.

15.JUNQUEIRA, L.C.; CARNEIRO, J. Histologia Básica. São Paulo: Ed. Guanabara Koogan. 9.ed., 1996.

16.      KELEMAN, 5. Anatomia Emocional. Summus Ed. 2.ed., 1992.

17.      KENDALL F.P. Músculos Provas e Funções. Ed. Mano(e. 4.ed. 1995.

18.      LEITÃO, A. Fisiatna ClínicaBases Físicas, Fisiolõgicas e Terapêuticas. Rio de Janeiro: Ed. Atheneu, 1.ed., 1979.

19.      LUCENA, A.C.T. Fisioterapia na Paralisia Facial Periférica. São Paulo:

Ed. Lovise LIDA, 1993.

20.      MACHADO, A.B.M. Neuroanatomia Funcional. São Paulo: Ed. Atheneu,

2.ed., 1993.

21.MARTINET, M. Teoria das Funções. Lisboa: Moraes Ed. 1.ed., 1981. Tradução de J. Seabra Diniz.

22.OTTA, E. et ai. Sorriso em Bebês: Reação a face humana e a vários tinos de deqradações deste estímulo. Ver. Bras. Cresc. Des. Hum. ii. São Paulo:, 1992.

23. PIAGET, J. A Formação do símbolo na criançaJogo e sonho Imagem e Representação. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 2.ed., 1975. (Tradução de Álvaro Cabral e Christiano Monteiro Oiticica).

24.REICH, W. Análise do caráter . São Paulo: Martins Fontes Ed. 2.ed.,

1995.

25.SOBOTTA, J. Atlas de Anatomia Humana. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan S.A. 19.ed., v.1,p. 49-53,283, 301 e 303, 1993.

26.VOSS, D.E.; IONTA, M.k.; MYERS, B.J. Facilitação Neuromuscular Proproceptiva Padrões e Técnicas. São Paulo: Ed. Médica panamericana, 3.ed., 1987. (Tradução de Nadhia Gagaus).

27.WEIL, P.; TOMPAKOW, R. O corpo fala. Rio de Janeiro: Ed. Vozes LIDA. 40.ED., 1996.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here