Bioquímica do Envelhecimento Cutâneo

0
973

Não adianta. Por mais que não queiramos, o envelhecimento é implacável, chega para todos. É um processo endógeno, natural, progressivo e visível externamente. Nele, ocorrem alterações na estrutura e na função da matriz extra-celular, diminuição na síntese de AQP-3 e aumento da síntese de Metaloproteinases (MMP´s), além de Hialuronidase que degrada o ácido hialurônico, dificultando a retenção hídrica no tecido epitelial.

Com a idade, muitos sistemas orgânicos sofrem alterações morfológicas e funcionais, o que  também se aplica ao sistema imunológico e é assim que suas modificações podem desempenhar um papel destacado na patogenia da involução.

Para estudar melhor um fenômeno que tende a ser impactante nos próximos anos no mundo todo, a ciência da Gerontologia estuda os problemas biológicos, sociais e econômicos na velhice. Por outro lado, a Geriatria enfoca os aspectos médicos do processo do envelhecimento.

 

 

 

 

 

 

 

Veja abaixo as fases da vida e os seus efeitos na pele:

Fase Efeito
14 a 18 anos Produção normal de sebo e dilatação de óstios, queratose, notadamente no folículo pilossebáceo, levando à formação de tampões córneos e ao surgimento de acne.
18 a 25 anos Equilíbrio hormonal. A melhora da pele é mais nítida no sexo feminino, o teor da hidratação passa a ser mais estável com o equilíbrio da produção e eliminação de sebo. A partir dos 25 anos, os fibroblastos diminuem a produção de colágenos solúvel, o que determina alterações marcantes na hidratação da pele.
25 a 30 anos Queda na produção de colágeno solúvel, que tem a capacidade de reter água e decresce o Índice mitótico dos queratinócitos também.
30 a 35 anos Há carência de equilíbrio hídrico e a epiderme entra em processo de redução de espessura, dando margem ao surgimento de linhas de expressão e rugas.
35 a 40 anos Aplainamento da junção derme-epiderme, o que a torna mais fina e retificada. Queratinização deficiente, em virtude das alterações hídricas; surgem escamas, rugas na testa e ao redor dos olhos.
40 a 45 anos Secreção sebácea mostra sinais de hipoprodução, lâminas da camada córnea se destacam rapidamente e depósitos de cálcio e magnésio nas fibras elásticas dos vasos da face alteram a sua dinâmica, podendo determinar, nas peles alípicas, o surgimento de dilatações de pequenos vasos e artérias, na face ou próximo ao nariz: couperose, telangiectasia.
45 a 50 anos Diminuição da espessura da epiderme, somada a uma fragilidade das fibras elásticas e à carência de fibras colágenas solúveis, determina um grau maior de rugas. Surgem as transversais da testa e diminuição da síntese de proteínas da matriz extracelular e perda da integridade estrutural de colágeno e elastina.
50 a 55 anos Fibras colágenas ficam ainda mais entrelaçadas e ricas em colágeno insolúvel (glicação). A pele torna-se flácida porque também as fibras elásticas não conseguem manter as tensões necessárias ao bom funcionamento do tegumento (tecido epitelial).
55 a 60 anos Desidratação da camada córnea atinge quase o seu apogeu, a epiderme já é uma lâmina bem estreita e irregular e sulcos e rugas aprofundam-se mais e a pele ganha uma cor meio acinzentada. Nos lábios, finas irradiações vão dando origem à futura boca senil. A espessura dos lábios já é a metade da que existia aos trinta anos.
60 a 90 anos A circulação dérmica bem diminuída, devido à presença de depósitos de colesterol no íntimo dos vasos. A epiderme não acompanha mais os movimentos musculares, tornado-se, lentamente, um pergaminho, o que diminui sua capacidade de regeneração diante de lesões.

Mas, apesar deste cenário, nem tudo está perdido. Hoje, com tantas pesquisas e produtos eficientes lançados constantementes no mercado, estes efeitos podem ser amenizados. Podemos trabalhar o envelhecimento de forma preventiva e corretiva, prevenindo e revertendo os sinais do envelhecimento mantendo a homeostase cutânea ao:

  • Proteger a pele contra o fotodano para prevenir o envelhecimento prematuro
  • Inibir a formação de metaloproteinases
  • Manter a integridade da lâmina basal: manutenção de filagrina, integrina e laminina
  • Cultivar a ação antioxidante de amplo espectro: inibir a formação e neutralizar RL
  • Intensificar a síntese de proteínas estruturais (colágeno e elastina)
  • Intensificar a síntese de AQP-3
  • Repor ácido hialurônico
  • Manter MNF e a integridade estrutural da MEC
  • Manter o EC como forma de proteção da pele
  • Ativar a síntese de ATP

Para melhorar a função da JDE, é preciso que exista uma interação dos queratinócitos basais e suas estruturas de ancoragem relevantes como a laminina e o colágeno, mediante melhora de sua estrutura, e interagir com os processos de comunicação. A integridade estrutural da JED leva a uma melhora na coesão e organização celular.

Tratamentos rejuvenescedores:

  • Controlar os primeiros sinais do envelhecimento.
  • Eliminar linhas de expressão.
  • Prevenir e controlar o fotodano.
  • Diminuir ação de radicais livres – ação antioxidante.
  • Uniformizar a cor e a tonalidade da pele.
  • Aumentar a permeabilidade cutânea.
  • Combater a flacidez tecidual.
  • Melhorar a tonicidade da pele e a coesão celular.
  • Reduzir a aparência de rugas
  • Nutrir a pele.
  • Reduzir e mudar o tipo e o aspecto das rugas que adicionam anos à aparência.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here