Tudo sobre rosácea

0
1166

É uma doença inflamatória crônica, multifatorial e ainda de processo histopatogênico não definido, ocorre na região centrofacial, como malares, nariz e mento. Alguns fatores são associados como uso de cosmético, retinóides e corticoides, substâncias sistêmicas, alguns alimentos com propriedades vasoativas, mudanças climáticas e de temperatura, radiação solar, exercício físico, alterações hormonais, além de fatores emocionais.
Estudos apontam que os neutrófilos teriam papel inicial na patogênese, principalmente nos casos com predomínio eritematoso e telangiectásico, secundariamente ocorreria vasodilatação, edema e intermediação de vários fatores pró-inflamatórios, como histamina e prostaglandina.
As alterações ocorrem principalmente na derme, embora algumas formas cursem com discreta descamação. É observado dilatação vascular, tanto dos capilares quanto dos vasos linfáticos. Pode encontrar alterações de colágeno e tecido elástico dérmico e edema entre as fibras.
Apesar de ser muito frequente seu tratamento permanece um desafio.

Estágios:
– Pré rosácea: Eritema transitório, rubor intermitente, pele facilmente irritável.
– Rosácea Eritematosa telangiectásica (estágio I): eritema persistente, telangectasias, sensação de picada, queimação e prurido.
– Rosácea papulopustulosa (estágio II): Pápulas e pústulas eritematosas, eritema centrofacial, telangectasias.
– Rosácea hiperplástica glandular: Placas e nódulos inflamatórios, hiperplasia tecidual e das glândulas sebáceas.

Terapêutica:
A utilização dos cosméticos tem sido utilizada na rosácea de estágio III, para a rosácea hiperplástica glândulas é indicado tratamentos cirúrgicos. A escolha do veículo depende da quantidade de sebo, mas geralmente deve-se utilizar fluído. Não é recomendado a utilização de ácido glicólico, ácido salicílico, propilenoglicol.
Os cosmecêuticos orientados predominam as moléculas de origem botânica e mineral, cujo uso está dirigido principalmente ao controle de eritema facial. Os mecanismos de ação dos cosméticos estão fundamentados em 4 aspectos: fotoproteção, diminuição do rubor facial, sabonetes especiais de limpeza e uso de maquiagem para camuflar.
Protetor solar: Utilizar protetor físico, veículo loção ou creme (dependendo da oleosidade da pele), escolher para peles sensíveis, e é importante conter substancias como silicone, óxido de zinco ou dióxido de titânio. Evitar filtro que contenha PABA, octilsalicilato e octilmetoxicinamato.
Substância para diminuição do rubor: Aloe vera, figo chumbo; pantenol, polifenóis; antiinflamatórios naturais como bisabolol e alantoina.
Maquiagem: Deve conter Mica, um mineral de origem natural translucido, pertencente ao grupo dos silicatos, confere a maquiagem textura suave e fina.
Algumas recomendações básicas: Evitar cosmético que contenha álcool, água de Hamamélis, mentol, hortelã, cravo ou óleo de eucalipto; o produto não deve conter perfume; priorizar produto hipoalergênicos; higienizar materiais afim de evitar uma possível proliferação do Dermodex.
Higienização facial: A pele é muito sensível, por isso indica-se substâncias como o óleo essencial da árvore australiana, erva de limão, manteiga de karité, manteiga de cacau, azeite de oliva, óleos de coco e de castor, hidróxido de sódio e água termal. Sendo suaves e evitando a irritação cutânea.

Tratamento estético: Pode ser realizado uma drenagem linfática manual, protocolos calmantes, hidratação, argiloterapia, LED e Laser de baixa potência. Não se deve de maneira nenhuma utilizar ativos ou procedimentos que provoquem vasodilatação.

É bom que o tratamento do esteticista esteja alinhado com o do dermatologista. E fique atento aos ativos utilizados, para que o quadro não piore, procure uma linha de sua marca de cosméticos favorita para peles sensíveis, ou próprios para rosácea.

Referência: Tratado internacional de cosmecêuticos.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here