Técnica de Crochetagem em Estrias

0
402

A pele é uma barreira que protege o corpo de elementos externos, de ferimentos e da oxidação. Também ajuda a manter a temperatura do corpo constante, fazendo-o adaptar-se às diferentes temperaturas e condições atmosféricas do meio ambiente por meio do controle da perda de umidade. A pele recebe informação sensorial, desempenhando um papel ativo no sistema imunológico ao proteger o corpo contra doenças. A fim de poder cumprir todas essas funções – protetora, metabólica, sensorial e imunológica – a pele deve manter suas próprias capacidades de auto reparação e integridade funcional A epiderme de origem ectodérmica é um epitélio de revestimento estratificado e pavimentoso, ou seja, é constituído por várias camadas de células que vão se achatando à medida que se tornam mais superficiais. Como todo epitélio, as células da epiderme se renovam indefinidamente, graça a uma atividade mitótica contínua. A técnica de Crochetagem em estrias albas tem como objetivo provocar uma lesão tecidual onde, é produzido um processo inflamatório que será responsável pelo efeito de reparo nas estrias. Alguns estudos dizem que a inflamação traz nutrientes para a região, remove detritos celulares e bactérias, e estimula a reparação da ferida.

Tecido conjuntivo é o termo aplicado tradicionalmente a um tipo básico de tecido de origem mesodérmica que proporciona sustentação estrutural e metabólica para outros tecidos e órgão ao longo do corpo. Além de um papel mecânico-estrutural, alguns tecidos conjuntivos medeiam à troca de nutrientes, metabólicos e produtos residuais entre os tecidos e o sistema circulatório. Os tecidos conjuntivos contêm geralmente vasos sanguíneos e linfáticos Diferente de outros tipos de tecidos (epitelial, muscular e nervoso), que são formados principalmente por células, o principal constituinte do tecido conjuntivo é a matriz extracelular.

As matrizes extracelulares consistem em diferentes combinações de proteínas fibrosas e de substâncias fundamental. Os constituintes macromoleculares que formam a matriz extracelular de tecidos conjuntivos comuns são produzidos por células chamadas fibroblastos . Existem vários tipos de tecidos conjuntivos

A Técnica de Crochetagem trata de um método epidérmico, não invasivo, indicado para todos foto tipos e todas as classificações das estrias, ou seja desde vermelha, violácea e brancas. Realizado com um instrumento de metal arredondado , de pouca espessura de material inoxidável, que pode ser esterilizável, quando deslizada continuamente sobre a estria ,estimula o extrato granuloso da epiderme, com isso a uma estimulação nos fibroblastos onde produzem colágeno e elastina.

Esta técnica promove mudanças em níveis celular e tecidual: proliferação celular, neovascularização, produção de colágeno, uma grande melhora no aspecto da pele. Seus efeitos atuam indiretamente nos fibroblastos, que produzem o colágeno e encontram-se estruturalmente modificados na pele estriada uma grande melhoria no visual da pele, ficando próxima ao aspecto normal.

O objetivo do procedimento é estimular a reparação tecidual , produz um processo inflamatório que será responsável pelo efeito de reparo nas estrias. A ponta da ferramenta metálica provoca uma lesão traumática na pele (epiderme), ocorrendo ainda uma inflamação tecidual como consequência dos repetidos deslizamentos teciduais .Em resposta a essa lesão, haverá uma dilatação dos pequenos vasos da derme, correspondente à região estimulada, resultando num edema discreto. Logo em seguida, a taxa mitótica do estrato basal regional aumentará. As células lesadas cujos restos serão eliminados por fagocitose e o líquido excedente absorvido pela circulação linfática. Durante o processo de reparação tecidual instalado o processo inflamatório, os fibroblastos ativados se encontram em diferenciação em resposta aos fatores de crescimento. Eles se multiplicam e produzem fibras colágenas, secretando também fibras elásticas

A reparação tecidual se dá após a pele ser estimulada mecânico, ela se inicia após um processo gradativo, que pode durar até 6 meses e envolve inflamação e reparação.

Após as sessões da Técnica de Crochetagem ocorre um acentuado aumento de fibroblastos jovens, uma neovascularização e, como consequência, uma grande melhoria no visual da pele, ficando próxima ao aspecto normal.

Nas imagens abaixo podemos observar a reação inflamatoria logo após o protocolo da Técnica de Crochetagem.

O ideal é que tenha estimulo dos fibloblastos sem causar lesao , pois dependendo da lesao pode se estimular tambem os melanocitos e provomer efeitos indesejáveis como uma hipercromia pós inflamatória. Os resultados são rápidos , após algumas aplicações e o uso de cosmeticos home care podemos ter a visivel melhora do quadro.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here