PCA de Arginina – a nova arma antiaging

0
210

Além da inflamação e da oxidação, a glicação é a maior causa do envelhecimento. Esta reação química natural e espontânea resulta do ataque dos açúcares do sangue em circulação às proteínas do corpo causando a formação de componentes perigosos chamados A.G.Es (Produtos finais avançados da glicação – Advanced Glycation and products). Quando estes afetam as proteínas da derme: colágeno e elastina, a estrutura da pele é danificada.

De fato, estas fibras assim reticuladas, portanto rígidas, perdem suas propriedades biomecânicas: a pele tem uma perda de elasticidade, perde a firmeza e as rugas se formam. Mas a glicação também pode afetar proteínas intracelulares, atrapalhando permanentemente algumas atividades metabólicas.

Finalmente, a glicação é responsável pela alteração do tom da pele por um fenômeno de amarelamento, ficando a mesma com aparência de “doente”. Este fenômeno progride devagar durante a vida e afeta a todos. Como a pele não tem nenhum sistema próprio de defesa contra a glicação, esta reação tem sido considerada irreversível. A proteção e a prevenção eram então consideradas as únicas armas de defesa.

O processo de glicação da proteína da pele é bem conhecido e ocorre em 3 etapas:

1- Fixação de um açúcar redutor circulante ou aldeído aos resíduos amino de proteínas forma um produto inicial de glicação chamado de base de Schiff, que é instável e reversível.

2- Esta base sofre então uma rearranjo intramolecular, chamado de Rearranjo Amadori, para formar o que é conhecido como um produto Amadori, um produto estável intermediário de glicação.

3- Por rearranjos e transferência de hidrogênio, os produtos Amadori polimerizam e formam produtos finais de glicação avançada (A.G.E) ou produtos Maillard, em homenagem ao famosa reação de escurecimento (“caramelização”) de proteínas que se acumulam lentamente e supostamente de forma irreversível nos tecidos.

Que consequências para a pele?
Quando a glicação afeta as proteínas-chave da matriz extracelular, cuja taxa de renovação é lenta, muda suas propriedades. Uma vez glicada, esta se torna mais resistente à proteólise e não mais se renova. Eles então se acumulam nos tecidos e, assim, reduzem a qualidade da rede dérmica. Ao formar pontes moleculares entre as fibras de colágeno e elastina, as A.G.Es afetam as interações dentro da matriz e a formação de redes macromoleculares, que endurecem o tecido de sustentação da pele (fibrose), que gradualmente perde suas propriedades biomecânicas. A perda das propriedades biomecânicas da pele resulta, em particular, na perda de elasticidade e firmeza da pele: as rugas se aprofundam e os contornos faciais caem.

Mas a glicação também pode afetar as proteínas intracelulares, o que é chamado de glicação intracelular. Ao acumular, os A.G.Es afetam permanentemente a atividade metabólica das células e podem levar à apoptose. Distúrbios de cicatrização e pigmentação são outras consequências da glicação.

Em conclusão, a glicação, portanto, altera permanentemente a estrutura e função da pele, sua cor e textura.

Uma ferramenta chave para manter e restaurar as propriedades biomecânicas da pele
A descoberta de uma molécula com uma ação de deglicação, o ativo Pirrolidona Carboxilato de Sódio Arginina Ativa (PCA de Arginina) oferece agora novas perspectivas e a oportunidade de reverter este processo de envelhecimento. O PCA de Arginina é a combinação entre dois aminoácidos existentes fisiologicamente, como parte do fator de hidratação natural: arginina e o ácido L- carboxil pirrolidônico (L-PCA).

Mecanismo de ação – atuação dupla contra a glicação
O PCA de Arginina tem mostrado grande potencial na luta contra a glicação devido à sua dupla ação exclusiva à nível epitelial/dérmico:

1. Potencial antiglicação (Ação Preventiva);
2. Potencial de deglicação (Ação Curativa para reparar as proteínas já glicadas)

Permitindo assim uma reversão no envelhecimento causado pela glicação, provado pela manutenção duradoura das propriedades biomecânicas da pele e a recuperação de seu brilho natural: o tônus da pele é melhorado, proporcionando um efeito “desamarelante”, especialmente nas marcas escuras, e também atua diretamente na melhora da firmeza da pele por aumentar a reversão da glicação das fibras responsáveis pelo arranjo elástico e de sua tonicidade (colágeno e a elastina).

A Adélia Mendonça apresenta esta nova descoberta cosmiátrica em seu portfólio de produtos faciais, que proporcionam atividades antiglicação, de quebra de A.G.E e antienvelhecimento. O que permite que a pele recupere a firmeza e juventude.

Conheça as propriedades desta ferramenta chave para manter e restaurar as propriedades biomecânicas de sua pele!

Acesse: www.adeliamendoncaprofissional.com.br
Tel. (37) 3551-2000
WhatsApp: (37) 9 9165-9882

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here