Mitos e verdades sobre Criolipólise

0
2685

A Criolipólise é uma técnica não invasiva usada no tratamento da gordura localizada, cujo objetivo principal é o “congelamento” dos adipócitos que depois serão reabsorvidos pelo corpo. Muito se tem discutido sobre essa técnica, especialmente no que se refere à segurança do tratamento. Existem alguns questionamentos necessários para a compreensão do tema:

  • Quanto mais o equipamento resfriar o tecido, melhor será o resultado?
  • A gordura precisa ser congelada?
  • Como o frio age na célula de gordura?
  • Afinal, frio não queima?

As células de gordura são mais sensíveis ao frio que outras células e estruturas ao redor. Isso significa que enquanto a água congela a 0°C, a gordura contida no adipócito cristaliza entre 8 e 10°C. Níveis muito significantes de resfriamento no aplicador, entre -10°C e -15°C aumentam fortemente o risco de queimaduras. Para que a técnica seja efetiva, não são necessários resfriamentos absurdos. O resfriamento acontece por condução, o calor do local vai sendo extraído até atingir níveis efetivos. Uma vez formados os cristais na gordura contida na célula, o efeito é irreversível, a célula entrará em apoptose e será eliminada do local.

estela 1

Figura 1. Imagens microscópicas de adipócitos resfriados a 8°C por 25 minutos, observe a formação de cristais dentro das células. A e B, aumento de 100 vezes e C e D, aumento de 400 vezes (modificado de Pinto et al., 2013).

O tempo pelo qual o tecido permanece resfriado também é importante. Estudos realizados demostraram que baixas temperaturas mantidas de 45 a 60 minutos podem causar lesão nos adipócitos, sem alterações significativas nos tecidos ao redor (vasos sanguíneos e nervos). Após o procedimento, as células adiposas que cristalizaram inflamam, células de defesa são ativadas e removem do local os resíduos celulares. Esse processo leva aproximadamente dois meses.

estela 2

Figura 2. Média da temperatura da pele durante o tratamento com criolipólise e durante o tempo de reperfusão (recuperação). Observe que as temperaturas no tecido adiposo se mantêm positivas (extraído de Sasaki et al., 2014).

Sim, frio pode queimar! Para se evitar o congelamento da pele, uma manta embebida em material anticongelante é posicionada sobre a área a ser tratada. Isso impede que a pele congele. As reações adversas mais frequentes são hiperemia, hematomas, parestesias e dolorimento e se resolvem naturalmente. As queimaduras são raras e estão relacionadas a erros operacionais. Outra complicação rara é a hiperplasia adipocitária paradoxal, onde os adipócitos aumentam de tamanho.

estela 3

Figura 3. Queimadura causada por tratamento inadequado de criolipólise. A, 1 dia após a sessão e B, 15 dias após o tratamento.

Dicas importantes para o uso seguro da técnica:

  • O procedimento somente deverá ser realizado por profissional habilitado.
  • Avalie se a área a ser tratada tem indicação para a técnica.
  • Jamais reaproveite a manta, o material anticongelante evapora durante o uso.
  • O equipamento deve ter ANVISA, verifique isso antes do tratamento.
  • Observe e respeite as contraindicações.
  • O equipamento deverá passar por manutenção periódica.

O procedimento é relativamente simples e de boa eficácia, porém, como sempre digo em sala de aula: aparelho não faz milagre!

Vivemos numa época em que os equipamentos relacionados à estética estão cada vez mais potentes, com resultados cada vez melhores, porém não podemos esquecer que o risco operacional aumenta na mesma proporção. Você está preparado para utilizar com segurança essa tecnologia?

Referências

Pinto H, García-Cruz E, Melamed G. Study to Evaluate the Action of Lipocyolysis. Cryo Lett.2013;33:176-80.

Sasaki GH, Abelev N, Tevez-Ortiz A. Noninvasive selective cryolipolysis and reperfusion recovery for localized natural fat reduction and contouring. Aesthet Surg J. 2014 Mar;34(3):420-31.

Ingargiola MJ, Motakef S, Chung MT, Vasconez HC, Sasaki GH. Cryolipolysis for fat reduction and body contouring: safety and efficacy of current treatment paradigms. Plast Reconstr Surg. 2015 Jun;135(6):1581-90.

Fonte foto: http://bit.ly/1QJ0djE

 

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here