Acne Solar

0
132

Vamos nos aproximando do final do ano, época de viagens, férias e época em que grande parte das pessoas se expõem ao sol. Nesta época, as praias e piscinas ficam cheias e os índices de acne solar aumentam significativamente e proporcionalmente.
Infelizmente muitos ainda não tem consciência do quanto o sol pode ser prejudicial à saúde.
A acne é uma dermatose que envolve muitos fatores. É causada pela inflamação das glândulas sebáceas e dos folículos pilosos em decorrência do acúmulo de secreção sebácea. Acomete além da face, principalmente dorso e tórax.
Existem diferentes tipos de acne. Dentre eles:

Acne medicamentosa: Causada por medicamentos que podem ser responsáveis pela formação de erupções acneiformes. Dentre eles, corticoides, andrógenos e alguns anticoncepcionais. Algumas outras substâncias e vitaminas também podem estar relacionadas. A interrupção do uso do medicamento já causa melhora, porém, se não for possível suspender o uso, alguns antibióticos podem ser utilizados para tratamento.

Acne Ocupacional: Relacionada a algum agente ou produto utilizado no trabalho. Ocorre por irritação e infecção secundária pela obstrução dos folículos. O afastamento do agente agressor já é suficiente para o tratamento. Em caso de não ser possível, alguns queratolíticos darão resultados satisfatórios.

Acne Cosmética: Causada pelo uso de cosméticos, normalmente com base oleosa, ou até mesmo, emolientes e produtos de base cremosa como maquiagens, pancakes, protetores solares oleosos. A suspensão do uso é, na maioria das vezes, suficiente para a melhora do quadro clinico.

Costumamos ver algumas pessoas, em especial, adolescentes, dizerem que a exposição ao sol “seca” as espinhas.
Na verdade isso é um grande mito, visto que a exposição ao sol, sem o fator de protetor adequado, ou, muitas vezes até, sem o uso do filtro solar, causa queimaduras na pele. Essa queimadura é vista por muitos como algo bonito e saudável. As famosas marquinhas de biquíni, por exemplo são o resultado da exposição ao sol muitas vezes sem proteção.
O que temos que conscientizar nossos clientes é que, muitas vezes, o vermelho ou o bronzeado que eles conseguem com a exposição ao sol, é uma resposta do nosso corpo, acompanhada de processo inflamatório local (vermelhidão), oxidação das células, produção de radicais livres, com consequente reparação tecidual (bronzeado).
Claro, sabemos que o sol é muito importante para alguns fatores, como a absorção da Vitamina D pelo nosso organismo, mas o que gostaria de salientar é que, a exposição ao sol para ser benéfica, deve obedecer alguns fatores como:

• Preferencialmente antes das 10hrs e após as 16hrs (horário de verão);
• Utilizar filtro solar na quantidade adequada (em média 6 colheres de chá para todo o corpo, 1 para o tronco, 1 para costas, 1 para cada perna, meia para cada braço e meia pra o rosto);
• Reaplicar o FPS em média a cada duas horas ou conforme orientação do fabricante;
• Aplicar o filtro solar de acordo com o tipo de pele (gel, emulsão, creme), 30 minutos antes da exposição ao sol.
A ACNE SOLAR, é então o resultado da exposição ao sol excessiva, sem proteção, ou com proteção inadequada em relação ao fator e tipo do filtro solar utilizado.

 

Estão relacionados os seguintes sintomas: vermelhidão, coceira, descamação da pele
A troca do filtro solar pelo adequado, bem como a interrupção da exposição ao sol, juntamente com o uso de cosméticos calmantes, esfoliantes e hidratantes normalmente são suficientes para alivio do sintomas.
Em casos mais severos, será necessário uso de antibióticos em loção ou gel, que devem ser recitados pelo dermatologista.

Referências Bibliográficas
OLIVEIRA,A.L.,org, Curso Didático de Estética, vol II. São Paulo, 2ª edição, Yendis, 2014
PEREIRA, M.F.L., ET.al., Série Curso de Estética: Recursos Tecnicos em Estética, vol II. São Paulo: Difusão, 2013
GUIRRO, E.C.O., Fisioterapia Dermato Funcional. 3 ed. São Paulo:Manole,2002
SAMPAIO, S.A.P.; RIVITTI,E.A. Dermatologia. 2.ed. São Paulo: Artes Médicas, 2000
Gerson, J. Fundamentos de Estética 4. São Paulo, Cengage Learning, 2011

Deixe uma resposta